“Damas do Samba”, menção honrosa no Festival do Rio, mostra que papel da mulher no samba vai além da figura da mulata
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

“Damas do Samba”, menção honrosa no Festival do Rio, mostra que papel da mulher no samba vai além da figura da mulata

Adriana Plut

14 de outubro de 2013 | 12h05


Desde que o samba é samba, a presença feminina tem importância fundamental para este gênero musical. Criado às escondidas, na casa da tia Ciata – uma mãe de santo que cedia espaço para as cantorias – o samba não teria sobrevivido (ou pelo menos não seria o que é hoje) sem suas musas, pastoras, tias, compositoras, passistas, madrinhas, carnavalescas, mulatas e intérpretes. No documentário “Damas do Samba”, a diretora Susanna Lira presta uma homenagem a essas mulheres que movimentam e dão força ao samba. “Quis mostrar que a figura da mulher no samba não está restrita ao papel da mulata”, diz. O filme foi lançado no Festival do Rio e recebeu Menção Honrosa do Júri na categoria documentário. Agora segue a trajetória dos Festivais Internacionais e, no ano que vem, será transformado em série para a TV.

.DOC – O filme retrata mulheres que trabalham com samba em diferentes funções. Como foi a escolha das personagens?
Susanna Lira – A escolha das personagens foi feita a partir de uma extensa pesquisa no tema. Eu mergulhei em livros e documentários que pudessem me dar referências, principalmente das primeiras mulheres envolvidas no samba, as famosas tias baianas. Eu também tive a consultoria da especialista Helena Theodoro, que pôde me apontar caminhos para encontrar personagens interessantes. Esse filme começou a ser feito em 2010 e entrevistamos aproximadamente 50 mulheres. E a escolha dessas personagens foi feita por esses dois caminhos, o da pesquisa, que nos apontou mulheres fundamentais no tema, como Beth Carvalho e Ivone Lara; e o acaso, que nos revelou grandes personagens durante as gravações, como a passista mirim Luany dos Santos. Numa visita à cidade do samba, por exemplo, conhecemos a Glória, chefe de barracão que todos chamavam de “cherifona” e isso foi o suficiente para despertar meu interesse por ela.

.DOC – Por que escolheu esse recorte? Você se interessa pelo papel da mulher de maneira geral ou teve algum outro motivo?
Susanna Lira – Todo meu trabalho é pautado pela luta dos direitos humanos. Mas, pela minha trajetória de vida, as mulheres ganham peso nos meus filmes. Eu tive duas mulheres muito importantes na minha criação: minha avó materna e minha mãe. Então acho que cada vez que eu filmo mulheres eu estou, no fundo, buscando parte da história da minha mãe. Essa força feminina que é capaz de mover tantas coisas, de superar dificuldades, de criar os filhos sozinha, e tudo isso sem perder a generosidade com o mundo.

.DOC – Por que escolheu mostrar rapidamente a história de cada mulher e não ir mais fundo na vida de cada uma?
Susanna Lira – Com esse filme, eu quis mostrar que a figura da mulher no samba não está restrita ao papel da mulata. A ideia era realmente mostrar como essas mulheres movimentam e dão força ao samba. Então eu escolhi fazer “um passeio” pela história do ritmo e mostrar que as mulheres estão presentes em diversos setores, sejam elas famosas ou anônimas.

.DOC – Alguma das entrevistas é mais especial para você? Tem alguma que destacaria?
Susanna Lira – É difícil escolher uma porque as 30 mulheres que estão no filme me doaram depoimentos preciosos. Mas eu poderia destacar, por exemplo, a Beth Carvalho. Por conta da longa internação no hospital, esperamos mais de um ano para realizar a entrevista. Quando ela finalmente teve alta, o filme já estava pronto e tivemos que voltar à ilha de edição para incluir esse material. Mesmo assim valeu a pena, porque o depoimento dela sobre a Clementina de Jesus é um dos momentos mais interessantes do documentário. Eu também destacaria a entrevista com Dona Ivone Lara, que do alto dos seus 93 anos protagoniza, na minha opinião, o momento mais emocionante do filme, cantando “Sonho Meu” à capela.

.DOC – Como o filme foi recebido no Festival do Rio? Quais os próximos passos de “Damas do Samba”?
Susanna Lira – A partir de agora, o filme segue a trajetória dos Festivais Internacionais e, para o ano que vem será transformado em série para TV.“Damas do Samba” foi muito bem recebido no Festival do Rio (recebeu Menção Honrosa do Júri na categoria documentário). Para a sessão de estreia, no dia 4 de outubro, convidamos todas as mulheres que aparecem no documentário, mesmo as que não deram entrevista. A Mocidade Independente de Padre Miguel e a Portela disponibilizaram ônibus para levar os componentes da escola. Essa presença de peso deixou a sessão ainda mais emocionante porque, como elas relataram depois, foi a primeira vez que tiveram a oportunidade de se ver num filme, numa sala de cinema. Nesse momento, eu tive a sensação de “dever cumprido”, porque eu fiz esse filme para dar visibilidade a essas mulheres. Ver a reação positiva delas na sala do cinema foi a maior recompensa que eu poderia ter.


Susanna Lira é formada em Publicidade e Jornalismo, com especialização em direção de documentários e pós-graduada em Direito Internacional e Direitos Humanos. Em 14 anos de carreira trabalhou nos principais veículos de comunicação entre eles: TV Globo, TV Cultura,  TV  Brasil,  Canal Futura, GNT e Multishow. É sócia da Modo Operante Produções onde coordena os projetos de produção de filmes e faz curadoria de mostras cinematográficas. Em 2012 dirigiu as séries “Em Busca do Pai” e “Mulheres de Aço” para o canal GNT/Globosat. Em 2013 dirigiu o documentário “Rio’s Red Card” para o canal Al Jazeera English. Atualmente finaliza o documentário “Nada Sobre Meu Pai”. Para o mercado cinematográfico, dirigiu os documentários: “Damas do Samba” (2013), “Uma Visita Para Elizabeth Teixeira” (2011), “Positivas” (2010), “Contracena” (2009), “Mãos de Vento e Olhos de Dentro” (ficção, 14’, 2009), “Câmera, Close!” (2005), “Em Direção a Ithaka” (documentário, 15’, 2008).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: