Qualquer semelhança…

Estadão

26 de março de 2011 | 10h25

Quem chamou minha atenção para essa semelhança entre as capas foi Marçal Aquino, com quem falei duas semanas atrás por conta do Leituras Sabáticas e de uma nota que saiu na Babel. “Essa coincidência sempre me estarreceu”, disse ele. “Cheguei a dar um exemplar para o Tomás Eloy certa vez; ele riu muito.”

Faroestes, do Marçal, é de setembro de 2001; Réquiem Por um País Perdido, do Tomás Eloy, de abril de 2003; e Entre BH e Texas, de Carlos Herculano Lopes, de 2004.

Ainda Marçal: “Falei para os escritores Luiz Roberto Guedes e Joca Terron, autores da ideia e da execução da capa, que acho a capa do Faroestes, sem favor nenhum, a melhor execução da ideia”. Concordo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.