A primeira vez

Estadão

14 de maio de 2010 | 14h11

Jim C. Hines, autor de livros de fantasia, fez entre fevereiro e março deste ano uma pesquisa com 246 autores de vários países que têm obras de ficção publicadas para saber como e quando conseguiram vender o primeiro livro e que atitudes tomaram para isso. Queria derrubar mitos, desses “pode”, “não pode”, “tem que” que todo candidato a autor ouve (isso ele diz, sei lá eu o que um candidato a autor ouve) quando tenta emplacar romances em editoras.

Por “autor profissional”, considerou qualquer um que tivesse publicado pelo menos um romance em uma grande editora, recebendo, para isso, um adiantamento de pelo menos US$ 2.000. Como o próprio pesquisador publicou títulos como Goblin, o Herói, ou algo que o valha, o resultado incluiu uma grande maioria de autores de fantasia (70), seguidos por “romances de romance” (40), infanto-juvenis e ficção científica (algo entre 30 e 40, em ambos os casos).

Ele cita um amontoado de dados aos quais não atentei, mas há uns interessantes. A certa altura, pergunta como os autores conseguiram emplacar nas grandes editoras. No Brasil, onde agentes são menos presentes e o mercado tem características todas próprias, seria diferente. Na pesquisa dele, livros oferecidos por agentes às editoras foram os mais bem-sucedidos (caso de quase 140 autores), seguidos de títulos oferecidos pelos autores diretamente às editoras (uns 70).

A curiosidade, para quem espera na literatura um fenômeno similar ao que aconteceu na música com o MySpace: menos de 10 autores publicaram o livro primeiro por uma pequena editora e, em seguida, conseguiram vender o mesmo título para uma grande. E um único autor, dentre todos, publicou o livro em seu site pessoal e, a partir disso, chamou a atenção de um editor.

Outro dado relevante foi o que o Boing Boing destacou (e que foi, é claro, onde vi a notícia, porque não frequento o site de Jim C. Hines, autor de Goblin, o Herói). A idade média com que os autores tiveram seus primeiros livros publicados foi 36,2 anos. Sobre quanto tempo tentaram antes disso, as respostas variaram entre 0 e 41 anos. A média ficou em 11,6.

A má notícia é que só uma pessoa demorou zero anos para emplacar o primeiro livro. A boa é que só um demorou 41 anos. Se bem que teve um outro ali que camelou por 40 anos.

E um último alento para quem realmente acredita que aqueles primeiros rascunhos da vida valem algo: 58 dos 246 autores conseguiram publicar o primeiro livro que escreveram. A maioria ainda precisou escrever uns três ou quatro antes de convencer um editor.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: