1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Walmor Chagas: ‘Só ator de país pobre se sujeita às novelas’

Etienne Jacintho

.

Walmor Chagas, em Filhos do Carnaval, teve sua notória cabeleira branca raspada para ser Comodoro, irmão de Anésio Gebara (Jece Valadão), um homem movido pelo ódio. "A gente derrubou uma instituição capilar", brinca Thogun. Em uma cadeira de rodas e com uma bolsa de soro a tiracolo em cena, Walmor mete medo, mas também faz rir. "Comodoro tem humor e se vinga sorrindo", conta o ator, que diz estar cansado de novela. "Não acho um trabalho artístico." Para o ator, que mora em uma fazenda, gastar tempo filmando fora de casa não compensa. Em entrevista ao Estado, ele fala de Comodoro, explica por que seus personagens sempre morrem nas novelas e diz que deve figurar no computador das redes de TV como um ator de papéis "3M: milionário, mulherengo e mau caráter."

 

Por que você aceitou o papel?Tinha visto a primeira temporada da série e pensei: ‘Nossa, como o Cao Hamburger é bom!’ Como eu não assitia Castelo Rá-Tim-Bum e as coisas infantis dele, não sabia disso. Quando ele me chamou, aceitei na hora e independentemente do papel.

 

Veja também:

link'Filhos do Carnaval': sangue e suingue

 

Comodoro é completamente mau?

Ele é mau mesmo. É movido pelo ódio e isso é muito interessante. O irmão deu um tiro nele, depois de uma briga, e ele ficou paralítico. É um ódio, mas com humor. Ele acha graça da vingança e se vinga sorrindo.

 

Essa série vai ser exibida em toda a América Latina e muitas novelas também viajam internacionalmente. Não é estranho fazer um trabalho aqui e não saber onde ele será visto?

O curioso é que você sabe que a série ou a novela passou em outro país, mas não sabe qual foi a repercussão desse trabalho. No Brasil, a imprensa te dá o resultado, mas lá, a gente não sabe nada. Uma vez viajei para a Itália e alguém me conheceu, mas nem sei por qual novela. Como não sou ator de estar sempre na televisão, achei bem estranho.

 

Mas você tem um visual bem marcante...

É, pode ser. Digo que, por isso, sempre me dão papéis que chamo de 3M – milionário, mulherengo e mau caráter (risos)! Em geral são esses personagens que faço. Acho que estou no computador e quando precisam de um milionário, mulherengo e mau caráter leem lá ‘Walmor Chagas’.

 

Por que você nunca faz uma novela inteira e sempre é morto?

É escolha minha porque novela dá muito trabalho. Até me convidam, mas não aceito. Só ator de país pobre como o Brasil se sujeita a esse gênero. Sou um ator teatral e acho cansativo. Até porque novela é muito repetitiva. São sempre as mesmas histórias... Não acho mais interessante. Achei interessante quando precisava financeiramente. Hoje em dia, não topo mais, a não ser quando é participação. Aí eu morro logo e pronto.

 

Como em 'A Favorita' (Globo) e em 'Caminhos do Coração' (Record)...

Sim. E em Pé na Jaca (Globo), que desapareci e nem vi que fim levei. Não tenho mais paciência de ficar 8 meses fora de casa, no Rio. Mesmo em hotel, é muito sacrificado. E ainda estando num trabalho que acho muito descaracterizado. Não acho um trabalho artístico. Essa industrialização obriga a uma velocidade de cena, de produção e os próprios autores não aprofundam os personagens, porque senão perdem o ibope. Os personagens são superficiais. Ontem o cara perdeu a mãe e hoje está passeando na praia. Isso me deixa irritado.

 

Série é diferente?

Esse trabalho é muito diferente. É uma produção cuidadosa. Por isso gostei. E são 7 episódios e não 180.

 

Há autores de novela que também acham 180 capítulos muita coisa.

Isso é para compensar financeiramente. Já que o cenário está montado, eles precisam aproveitar o máximo. E aí vai, vai, vai e não há muito o que fazer.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo