1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Sérgio Guizé vive protagonista em nova novela das 6 da Globo, 'Êta Mundo Bom!'

- Atualizado: 18 Janeiro 2016 | 10h 58

Personagem Candinho é o otimista por natureza; obra estreia nesta segunda, 18

Ele já foi o João Gibão, um dos personagens enigmáticos na versão recente da novela Saramandaia, de Dias Gomes. Mas também interpretou a transexual mais que divertida Lorraine, na série Tapas & Beijos. Esteve no sofá como um dos pacientes em Sessão de Terapia, do GNT. E agora é a vez de Sérgio Guizé virar Candinho, um caipira, ingênuo e à procura de sua mãe na nova trama das 18 horas, da Globo, Êta Mundo Bom!, de Walcyr Carrasco, que estreia nesta segunda, 18.

Inspirada no clássico Cândido ou o Otimismo, de Voltaire, a história situa-se nos anos 1940, no interior de São Paulo. É lá que começa a história do rapaz abandonado pela mãe e que, certo dia, decide ir atrás dela. Em entrevista ao Estado na sexta-feira, Guizé falou sobre o personagem.

 

O ator. Inspiração em Chaplin, Mazzaropi, Roberto Bolaños e, em especial, Cândido, personagem criado por Voltaire
O ator. Inspiração em Chaplin, Mazzaropi, Roberto Bolaños e, em especial, Cândido, personagem criado por Voltaire

Candinho é uma pessoa ingênua, um caipira, que sempre viveu no campo. Você se identificou de alguma forma com ele?

Não muito, mas estou aprendendo com ele, e seria maravilhoso ver somente o lado bom das coisas.

Ele é tratado como um filho bastardo, quase uma gata borralheira. Acredita que esse tipo de personagem é capaz de conquistar o telespectador?

Olha, acredito que sim, é contado com muita leveza e bom humor e também pelo fato de existir muito mais oprimidos a opressores.

Você se inspirou em Mazzaropi ou teve outra inspiração?

Muitas inspirações. Comecei por Mazzaropi, depois Voltaire, Chaplin, muitas vezes Chaplin, passando por Roberto Bolaños e continuo me inspirando, aceitando e procurando novas referências, sempre bem vindas.

Seu personagem vai em busca da mãe verdadeira. Se estivesse nessa situação, também largaria tudo para encontrá-la?

Iria de qualquer jeito e em qualquer situação.

Walcyr Carrasco deu algum toque sobre o personagem, como queria que fosse interpretado por você?

Quando nos conhecemos, ele falou de Luzes da Cidade e Luzes da Ribalta, filmes de Chaplin – eu já tinha assistido a esse último. Ao mesmo tempo, conversávamos sobre Candinho, Mazzaropi, nossa novela, Voltaire, o filme e, a partir desse momento, não consegui mais pensar em outra coisa.

Foi difícil entrar na pele de Candinho?

Diria que muito mais feliz do que difícil.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX