Sangue, suor e lágrimas na tela

Versão do reality show The Amazing Race chega sábado à Rede TV! com muito drama

Etienne Jacintho, O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2007 | 22h25

A Corrida Milionária brasileira que estréia sábado, às 19 horas, na Rede TV!, não é tão milionária assim, pelo menos para os participantes. O prêmio oferecido no reality show é de R$ 500 mil. A produção da atração, porém, foi milionária. O valor do prêmio foi gasto apenas em passagens aéreas para os 22 competidores e para os cerca de 170 envolvidos no backstage das filmagens. Para quem não conhece, A Corrida Milionária é a versão nacional da americana The Amazing Racing, o reality de competição que mais ganhou Emmys até hoje, inclusive este ano. Quem está por trás da produção é a Hispaniola, empresa que tem sua base brasileira em Pernambuco. A Hispaniola comprou horário na RedeTV! para a exibição da atração. O vice-presidente da Hispaniola, Rony Curvelo, que também será o apresentador da corrida, disse que a equipe já estava preparada para ter prejuízo este ano e que aposta na segunda edição do reality para ter a compensação de seu investimento. A competição terá 11 duplas participantes, que foram selecionadas entre as 6 mil inscritas no site do programa. "Há namorados, casais gays, irmãs", conta Curvelo. E, claro, muito drama, muito choro. Afinal, esses são os elementos básicos para um reality dar certo. E, na corrida, a superação de dificuldades é o que mais impressiona o público. SIGILO As gravações da competição foram realizadas em nove estados brasileiros e a equipe passou ainda por um outro país da América Latina - Curvelo pediu sigilo. Aliás, sigilo é a palavra de ordem para o produtor/apresentador. Como as gravações do programa começaram no dia 15 de agosto e terminaram em 17 de setembro, o vencedor já está definido. Só que o suspense precisa ser mantido até o 13º e último episódio do reality para segurar o público. Curvelo conta que todos os participantes e os membros da equipe de produção tiveram de assinar um contrato de sigilo que estipula uma multa de R$ 100 mil para os fofoqueiros. A gravação dos capítulos finais contou com somente 35 membros da produção, além das três duplas finalistas. Para eles foi proposto um novo termo de sigilo. E, caso o resultado vaze para a imprensa pela boca de algum dos vencedores, o prêmio de R$ 500 mil não será entregue ao final do programa. "É importante manter o silêncio porque os dois últimos episódios são bombásticos", anuncia Curvelo. "Há uma surpresa no fim." Segundo ele, a produção da segunda temporada começa já neste sábado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.