Grant Pollard/Invision/AP
Grant Pollard/Invision/AP

Produtores de 'The Crown' se desculpam por disparidade salarial na série

A atriz Claire Foy recebeu menos do que Matt Smith para viver a rainha Elizabeth

Jill Serjeant, Reuters

21 Março 2018 | 10h28

Os produtores da série de TV The Crown se desculparam nesta terça-feira, 20, por pagarem menos para a atriz vencedora de prêmios que interpretou a rainha Elizabeth do que ao ator que interpretou o príncipe Philip, mas não disseram nada sobre corrigir o desequilíbrio passado.

A produtora Left Bank Pictures, sediada no Reino Unido, reconheceu na semana passada que Claire Foy recebeu menos do que Matt Smith pelas duas primeiras temporadas da série da Netflix sobre a família real britânica.

A história, o exemplo mais recente de disparidade salarial na indústria do entretenimento, ganhou manchetes e gerou uma petição pedindo para Smith doar a diferença de seu salário para o Time’s Up, movimento contra abusos sexuais e assédios em ambientes de trabalho, no Reino Unido.

** Difícil quando se chega ao último episódio de séries como ‘Merlí’

“Nós queremos pedir desculpas para Claire Foy e para Matt Smith, atores brilhantes e amigos, que entraram no centro de um turbilhão midiático nesta semana sem terem culpa”, informou a Left Bank Pictures em comunicado.

“Nós da Left Bank Pictures somos responsáveis por orçamentos e salários; os atores não estão cientes de quem ganha o que, e não podem ser pessoalmente responsabilizados pelo pagamento de seus colegas.”

Foy, Smith e a Netflix não comentaram sobre a questão e o tamanho da disparidade salarial não é conhecida.

** Os piores momentos da série ‘La Casa de Papel’

Os produtores disseram estar “absolutamente unidos à luta por pagamento justo” e por um “rebalanceamento” do tratamento de mulheres na indústria. Eles disseram estar dispostos a conversar com a ramificação britânica do Time’s Up.

O comunicado desta terça-feira não informou se ou como a disparidade entre Foy e Smith será composta retroativamente.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.