EFE/PAUL BUCK
EFE/PAUL BUCK

O.J. Simpson é tema de exposição em Los Angeles

Ex-jogador de futebol americano e astro de TV foi autorizado a cumprir pena em liberdade condicional a partir de outubro

EFE

18 Agosto 2017 | 14h57

LOS ANGELES - A cidade de Los Angeles recebe a partir desta sexta-feira, 18, uma curta exposição ("pop-up") sobre o ex-jogador de futebol americano e ex-ator O.J. Simpson, protagonista de um dos julgamentos mais midiáticos dos anos 1990 nos Estados Unidos, no qual foi acusado de duplo assassinato.

Sob o título The O.J. Simpson Museum, a exibição mostrará uma série de objetos relacionados com o caso Simpson, desde roupas e livros, passando por um Ford Bronco similar ao que o ex-astro do futebol americano utilizou para fugir da polícia.

"O julgamento de O.J. foi uma obsessão de minha vida. Todo o mundo conhece a versão midiática, mas o 'The O.J. Simpson Museum' é o vernáculo das pessoas", afirmou em um comunicado de imprensa o curador da exposição, Adam Papagan.

A exposição será inaugurada nesta sexta-feira na galeria Coagula Curatorial e ficará aberta até a próxima terça-feira, dia 22 de agosto.

Simpson foi acusado do assassinato de sua ex-mulher, Nicole Brown, e de Ronald Goldman, que foram encontrados mortos a golpes de faca em 12 de junho de 1994.

O julgamento terminou nove meses depois e Simpson foi declarado "inocente" e libertado.

Em um julgamento civil em 1997, Simpson foi declarado responsável pelo duplo assassinato e condenado a pagar uma indenização de US$ 33,5 milhões.

Simpson foi posteriormente condenado à prisão por um crime cometido em 2007, quando, ajudado por outros cinco homens, invadiu um quarto de hotel em Las Vegas para roubar objetos de um colecionador de artigos esportivos que tinha objetos que O.J. considerava que eram de propriedade de sua família.

Em julho, Simpson foi autorizado a cumprir pena em liberdade condicional a partir de outubro, após completar nove anos de sua sentença por assalto à mão armada e sequestro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.