Helen Sloan - © 2017 - HBO
Helen Sloan - © 2017 - HBO

Mulheres assumem a linha de frente na sétima temporada de 'Game of Thrones'

Apesar de andar de lado em alguns momentos, a saga da HBO chegou seu ao seu sétimo ano sem perder o vigor

Pedro Venceslau, O Estado de S. Paulo

17 Julho 2017 | 10h36

A estreia da sétima temporada de Game of Thrones dominou as timelines do Facebook na noite desse domingo, 14. Fazia tempo que uma série não conseguia isso. 

Apesar de andar de lado em alguns momentos, a saga da HBO chegou seu ao seu sétimo ano sem perder o vigor, o que é raro. 

 O canal também foi coerente ao anunciar com antecedência que GoT termina ano que vem, em seu oitavo ano. É reconfortante saber que uma das melhores séries dos últimos tempos terá um final digno e planejado. E ele está começando agora. 

O episódio de domingo, 16, arrumou as peças para a grande batalha. Pelo que se viu na estreia, as mulheres estarão na linha de frente. 

Depois de comer o pão que o diabo amassou na sexta temporada, a jovem Arya ressurge fria, poderosa e vingativa. Uma verdadeira máquina de guerra. 

É com um massacre (o melhor momento da estreia) que ela começa a trilhar o caminho da vingança. A escala final, claro, será a capital dos 'Sete Reinos'. 

Em outra ponta, no Norte, Sansa Stark é a eminência parda do irmão, Jon Snow. Os dois comandam uma assembleia com clima de parlamento inglês para definir as estratégias das guerras que vem pela frente. O objetivo é a “retomada dos Starks”, mas é preciso defender a retaguarda. 

Coisa rara em GoT, os irmãos são líderes reconhecidos pela base. Já Cersei também aparece soberana como nunca. 

Caminha por um mapa da região pintado no chão com a pompa de uma chefe de estado. 

Os inimigos estão por todos os lados e ela precisa decidir se vai para o ataque ou tenta se proteger. O trauma do suicídio do filho parece superado. 

O irmão e amante, que se torna seu conselheiro, se assusta com a frieza da rainha. Mas Cersei articula alianças e discute geopolítica sem se exasperar. 

Os últimos herdeiros da dinastia Lennister se preparam para enfrentar os vingativos Starks, que estão avançando em múltiplas frentes. 

Daenerys Targaryen foi outra que sacudiu a poeira, deu a volta por cima e já está pintada para a guerra. 

O cenário de guerra mundial se consolida enquanto os 'Caminhantes Brancos' avançam. Se existisse uma ONU por lá, esse perigo comum certamente seria colocado em pauta.  

 

Mais conteúdo sobre:
Facebook ONU Game Of Thrones

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.