'Lili, a Ex' mostra mulher que persegue o ex em situações cômicas

Nova série é inspirada em desenho de Caco Galhardo

João Fernando, O Estado de S. Paulo

21 Setembro 2014 | 19h10

Tem gente que sente vontade de fazer desaparecer as novas namoradas do ex. Com uma bazuca nas mãos, a protagonista da série Lili, a Ex, que estreia dia 24 de setembro, às 22h30, no GNT, vai surgir ao dar de cara com Reginaldo, de quem se separou, acompanhado de uma mulher. A personagem-título da atração, baseada nos desenhos do cartunista Caco Galhardo, é interpretada por Maria Casadevall, que garante ser bem diferente da moça.

“O ciúme não é muito presente na minha vida. Sou leve, preciso do meu espaço. Meu ciúme é mais silencioso, machuca mais. Não atazano os outros”, confessa a atriz. Na trama, ela viverá às turras com o ex, vivido por Felipe Rocha, por quem mantém um sentimento de possessão apesar de ter terminado o relacionamento. Para tornar a vida dele mais complicada, ela se muda para o apartamento ao lado, onde utiliza técnicas diferentes para vigiar os passos do rapaz. E quando pode, sai para provoca-lo. “É assim que eles se amam, têm um universo particular estabelecido”, avalia Maria.

Por ser uma história criada a partir de quadrinhos, os exageros que o desenho permite serão mantidos por meio de devaneios de Lili. “Na imaginação, ela serra a porta da casa dele quando ele está com uma mulher”, adianta a artista. Reginaldo, entretanto, é o contrário da protagonista. Bem comportado e organizado, ele passa o tempo limpando o apartamento. Na cena que o Estado acompanhou, nos estúdios da produtora O2, o personagem esfregava o interior da geladeira com uma escova. 

“A salvação dele é essa mulher que tem cor, vida. Ele é um cara que, na raiz, é sedutor e insuportável”, define o ator. Para Lilian Amarante, que ajudou a criar a série e divide a direção com Luis Pinheiro e Quico Meirelles, personagens introspectivos como Reginaldo também podem causar frisson no público feminino. “Ele pode ser obsessivo com limpeza e ter um sex appeal. As mulheres não se interessam só pelo macho alfa”, opina. Em contraposição estará Reinaldo, encarnado por João Vicente de Castro. Irmão de Reginaldo, ele faz o tipo garanhão e está sempre incentivando o ex de Lili a fazer o mesmo.

Outra figura de destaque na série é Anselmo, avó de Cíntia (Daniela Fontan) melhor amiga da protagonista. Fixo no salão de beleza onde Lili vai com frequência, ele dirá frases de efeito a cada episódio, que têm a ver com a vida da personagem. “Espero que ele se manifeste para mudar a situação”, faz mistério Milton Gonçalves, que interpreta o homem em questão.

Para concentrar a história e agilizar as gravações, o set de Lili, a Ex foi construído em estúdio, em que os dois apartamentos aparecem lado a lado, com dimensões de uma moradia real. Em ambos os espaços passarão os novos casos amorosos de Lili e Reginaldo. A cada semana, os dois terão novos pares, interpretados por atores como Priscila Fantin, Sophia Reis e Caio Castos, apontado como affair real de Maria Casadevall.

Tecnologia. Uma das inovações da série é a maneira como foi gravada. Quase sem cortes, as sequências foram captadas pela câmera Mövi, pouco maior do que um celular, acoplada a um equipamento batizado de Black Magic Pocket, que possibilita movimentos sem que a imagem balance. Quando o kit não está nas mãos de um cinegrafista, a câmera é controlada por um joystick e o vídeo é transmitido por óculos que mais parecem acessórios de fantasia.

Mais conteúdo sobre:
Lili, a Ex série de TV televisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.