Assine o Estadão
assine

Cultura

Brasil

'Legends of Tomorrow' reúne vilões e heróis contra o mal, mas com humor

Nova série de TV é baseada em personagens da DC Comics

0

Mariane Morisawa,
ESPECIAL PARA O ESTADO

17 Fevereiro 2016 | 18h11

VANCOUVER - Com Arrow, The Flash, Agents of S.H.I.E.L.D. e Demolidor, a TV está povoada de super-heróis. Mas Legends of Tomorrow, que chega ao Brasil nesta quinta, 18, às 21h40, no Warner Channel, promete algo de novo.

A série baseada em personagens da DC Comics aposta em leveza e humor. São nove protagonistas recrutados por Rip Hunter (Arthur Davill), para viajar pelo tempo e combater o vilão Vandal Savage (Casper Crump).

Muitos são conhecidos do público em suas versões atuais, como Sara Lance/White Canary (Caity Lotz) e Ray Palmer/Atom (Brandon Routh), que apareceram em Arrow, e Captain Cold (Wentworth Miller), Heat Wave (Dominic Purcell), Dr. Martin Stein (Victor Garber) e Firestorm (Franz Drameh), vistos em The Flash. Kendra Saunders/Hawkgirl (Ciara Renee) participou de ambas, assim como Carter Hall/Hawkman (Falk Hentschel).

Para muitos dos atores, a mudança foi um desafio. “Quando morri em Arrow, ninguém me disse que ia estar em Legends of Tomorrow”, conta Caity Lotz em set visit com a participação do Estado, em Vancouver, uma espécie de universo paralelo onde são rodadas também Arrow, The Flash, iZombie e Lucifer. “E foi interessante pegar uma personagem sombria e levá-la para uma série com tom bem mais leve.”

No caso de Brandon Routh, seu Ray Palmer precisou abdicar da posição de liderança. “Aqui, ele é parte do time. Rip é o líder, ou pelo menos diz para que época eles precisam ir. Assim, meu personagem fica mais livre para se expressar.”

O ator, que viveu o Homem de Aço no cinema em Superman – O Retorno (2006), de Bryan Singer, disse que só topou encarnar outro super-herói por causa do humor. “Ray sente-se responsável por ajudar o mundo, mas ele não é o Super-Homem, não pode fazer tudo. Há muito peso nos ombros do Super-Homem. Por isso, Ray pode ser um pouco mais tranquilo.”

Em Legends, os personagens viajam ao Velho Oeste e aos anos 1970 para liquidar o grande vilão, o que sem dúvida dá à série um quê de Doctor Who – impressão reforçada pela presença de Arthur Darvill em ambas.

“Há semelhanças, mas os dois têm passados diferentes”, diz o ator. “Rip Hunter quer vingança. E o Doutor escolhe bem as pessoas com quem viaja. Não acho que seja o caso de Rip.” Por exemplo, ele junta no grupo heróis e vilões, o que certamente vai gerar conflitos. “Os limites entre o bem e o mal são muito tênues, o que é bem explorado ao longo dos episódios”, diz Darvill.

Apesar de ter o objetivo de divertir, Legends of Tomorrow oferece mais do que isso, segundo seus atores. “Todos queremos nos imaginar como capazes de grandes coisas. Muita gente está presa a trabalhos comuns, de que não gostam. De repente, uma série assim pode lhes dar coragem de tomar uma decisão que muda sua vida ou de encontrar uma maneira de melhorar”, acredita Garber.

Comentários