Ringo/Divulgação
Ringo/Divulgação

Foo Fighters abre a gravação do novo disco com série de TV

'Sonic Highways', exibida originalmente pela HBO, chega em DVD

Pedro Antunes, O Estado de S. Paulo

24 Maio 2015 | 10h00

Vinte anos depois de se esconder do mundo, para fugir do pesadelo de lidar com o suicídio do amigo e líder da sua banda, encontrar a si mesmo, na reinvenção pessoal e musical chamada Foo Fighters, Dave Grohl sentia que precisava submergir novamente para encontrar um novo caminho de volta à superfície. O mais recente disco do Foo Fighters, Sonic Highways, lançado em novembro do ano passado, representa o produto dessa nova experiência, mas não o caminho percorrido por Grohl, Pat Smear (guitarra), Nate Mendel (baixo), Taylor Hawkins (bateria) e Chris Shiflett (guitarra). E, de longe, mais interessante. 

Grohl não apenas direcionava suas atenções ao álbum, mas também registrava a série de TV de mesmo nome, exibida nos Estados Unidos pelo canal por assinatura HBO (por aqui, entrou na programação do Bis). Toda temporada, com os oito episódios, chega ao Brasil pela Sony Music, em DVD, com três horas de extras e imagens inéditas não exibidas na televisão. Em Sonic Highways, a série, o líder da banda volta a se dedicar ao posto também de diretor, no qual já ganhou um Grammy, com o documentário Sound City (2013), e reconta a viagem pelo território dos Estados Unidos ao longo das gravações do oitavo disco. 

“Dia 17 de outubro de 1994. Fui para um estúdio e gravei algumas músicas. Elas formaram o Foo Fighters”, narra Grohl, no início do primeiro episódio de Sonic Highways. “Para o nosso aniversário de 20 anos, decidi fazer algo que transformasse o processo criativo em algo novo. Algo que nunca fizemos”, conclui. 

Depois de um breve hiato no fim de 2012, após a bem-sucedida turnê do álbum Wasting Light, gravado de forma inteiramente analógica, a banda planejou mudar a forma de criar no oitavo disco. Foram a oito cidades norte-americanas com histórico marcante na trajetória da música do país (Chicaco, Washington D.C., Nashville, Austin, Los Angeles, New Orleans, Seattle e Nova York), para gravar uma canção em cada uma delas. A ideia era que eles fossem entorpecidos pela inspiração de cada local, cada estúdio, e o resultado desse origem a uma das oito músicas do oitavo disco – supersticioso, o senhor Grohl. 

Acontece que o disco não funciona tão bem sozinho, enquanto a série justifica a miscelânea de sonoridades e os versos das canções, muitas vezes retirados das entrevistas realizadas pelo vocalista com grandes nomes da cena musical local. Duas décadas depois da reclusão que criou o Foo Fighters, Dave Grohl agora escancara a busca por inspiração. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.