1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Espetáculo do crime retorna à TV com 'Making a Murderer' e 'American Crime Story'

- Atualizado: 06 Fevereiro 2016 | 16h 00

Séries examinam assassinatos famosos e desdobramentos dos casos

Making a Murderer
Making a Murderer

Séries com temática policial não são novidade na TV. Quando a ficção é trocada pela realidade (ou parte dela), contudo, o clima tende a esquentar. Não é por acaso que a história da condenação, talvez equivocada, de Steven Avery, em Making a Murderer, do Netflix, tem chamado tanto a atenção. Instiga a curiosidade testemunhar a jornada do homem, detestado pela própria comunidade, sentenciado a prisão perpétua por um crime cujas evidências apontam para a sua inocência. 

A espetacularização do crime – e do pós-crime, com julgamento e prisão – ganhou mais carga dramática com a nova empreitada do produtor e showrunner Ryan Murphy (American Horror Story e, acredite, Glee). Sob a produção executiva dele, duas vezes ganhador do Emmy, American Crime Story recriará crimes icônicos, julgamentos polêmicos e sentenças controversas a cada temporada. A ideia de Murphy é levar o mesmo formato de antologia usado por American Horror Story e da cambaleante True Detective, explorando histórias independentes a cada ano. 

Na estreia de ACS, o caso da temporada é o de O. J. Simpson, o jogador de futebol americano e ator (interpretado por Cuba Gooding Jr.), acusado de assassinar a mulher. A série começou ser exibida no Brasil nesta semana, pelo canal por assinatura FX, e vai ao ar todas as quintas-feiras, às 22h30.

American Crime Story: O Povo Contra O.J. Simpson
American Crime Story: O Povo Contra O.J. Simpson

Carregada de drama e inquietações, a obra de Murphy busca examinar a tragédia de diferentes formas. Os personagens no entorno da acusação do então astro negro em uma Los Angeles extremamente racista – e estamos falando dos anos 1990. Simpson foi preso, mas não sem ser criado um grande espetáculo midiático em cima do seu julgamento. Advogados de ambos os lados, policiais, pessoas comuns, cada um era dono de uma opinião a respeito do queridinho da América transformado em assassino. 

Nos EUA, a estreia no dia 2 de fevereiro atraiu 5,1 milhões de espectadores, um número razoável. Além de ser uma história recente, e bastante conhecida, o elenco da série chama atenção. Gooding Jr. é Simpson, mas não é o protagonista da história. Sarah Paulson (que fez sucesso nas temporadas de American Horror Story) comanda a ação contra o astro de forma obstinada. David Schwimmer e John Travolta são outros rostos reconhecíveis que chamam a atenção na telinha. Nada é mais provocante, contudo, quanto o crime em si. É a atual receita do sucesso. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX