1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Em 13 anos, TV Globo perde 41% e SBT, 22%; Record cresce 357%

Cristina Padiglione

- Atualizado:29 Dezembro 2015 | 17h 40

Um gráfico produzido pela Record para uso interno traça um panorama da audiência das redes de TV na Grande São Paulo entre 1993 e 2015 (até domingo, 27/12). No quadro, montado com base nos números do Ibope (agora chamado Kantar Ibope), as emissoras aparecem da seguinte forma no período, considerando a programação diária, das 7h à 0h:
TV Globo – 23,5 pontos (1993) e 13,8 pontos (2015, até 27/12): 41% de queda;
SBT  – 8,0 pontos (1993) e 6,2 pontos (2015, até 27/12): queda de 22%;
TV Record – 1,5 ponto (1993) e 6,8 pontos (2015, até 27/12): 357% de crescimento;
TV Bandeirantes – 2,8 pontos (1993) e 2,3 pontos (2015, até 27/12);
TV Manchete – 1,5 ponto em 1993 e, já como RedeTV! 0,8 ponto em 2015.
A Record fecha o ano com metade da audiência da Globo, mas ostenta o porcentual de crescimento. Usa o calendário de 1993 como referência porque é o primeiro ano fechado da medição de audiência por people meter, aparelho que capta dados em tempo real – ainda que a mostra do painel fosse bem menor. Convém resgatar, no entanto, que em 1993, a Record ainda estava no fundo do poço que motivou sua troca de mãos três anos antes, das famílias Machado de Carvalho e Abravanel, para Edir Macedo. Da mesma forma, não se pode negar que 2015 foi um ano e tanto para a emissora, graças a Os Dez Mandamentos e à estratégia que favoreceu também o Jornal da Record, além da injeção de ânimo trazida por Xuxa.
Em tempo: 1 ponto de audiência na região valia 40 mil domicílios em 1993. Em 2015, 1 ponto valeu 67 mil lares.
Só falta falar. Luiz Henrique Rios dirige Juliana Paiva na 3ª etapa do concurso Garota Totalmente Demais, na novela das 7 da Globo. A prova é um comercial de perfume, mas Cassandra, a personagem, não decora o texto e, na edição, acabam apelando para um locutor.
1 ponto de audiência na Grande São Paulo passa a valer 69,4 mil domicílios
Como tem feito ano a ano, a Kantar Ibope Media atualiza, a partir do 1º dia do ano, a representatividade do ponto de audiência nas 15 regiões em que mensura o público de TV, com base nas novas estimativas populacionais. A coluna antecipa aqui que, a partir de  amanhã, 1 ponto na Grande São Paulo salta dos atuais 67 mil domicílios para 69.417; na Grande Rio, o ponto, hoje válido para 42.293 endereços, será ampliado para 43.346. E no Painel Nacional de TV (PNT), 1 ponto representará 240.886 lares (ante 233.400 em 2015).
O Ibope também anuncia a inclusão de seis municípios que passam a ser mensurados nas regiões metropolitanas de Fortaleza e Porto Alegre. E promete antecipar a entrega diária de alguns bancos de dados aos clientes.
O que a  concorrência não faz? A Gfk, que chegou ao País para medir audiência, ainda não mostrou seus números, mas já mostrou como pode motivar uma empresa que até então gozava de monopólio absoluto no seu ramo.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX