É o Robin Hood moderno

Timothy Hutton fala sobre Leverage, que estreia nesta terça, às 22 horas, no canal Space

Etienne Jacintho, O Estado de S.Paulo

14 Março 2009 | 22h17

O ator Timothy Hutton interpreta Nate Ford em Leverage, divertida e despretensiosa série que o canal Space - disponível na Sky - estreia nesta terça-feira, às 22 horas. Leverage mistura elementos dos filmes Onze Homens e um Segredo e Missão Impossível, com uma pitada de Esquadrão Classe A e Os Simuladores. Na série, Hutton é Nate Ford que, por uma tragédia, decide perseguir pessoas que usam o poder para tirar vantagem de outras pessoas. Para isso, ele abre uma empresa e recruta o melhor time de ladrões e golpistas para enfrentar os inimigos de seus clientes.

 

A cada episódio, uma armação diferente diverte o telespectador. O time de Nate é formado pela especialista em roubo Parker (Beth Riesgraf), o nerd Hardison (Aldis Hodge), o bom de briga Eliot Spencer (Christian Kane) e a truqueira e atriz Sophie Devereaux (a divertidíssima Gina Bellman, de Coupling). "Nate é uma espécie de Robin Hood", disse Hutton, por telefone, ao Estado.

Como você descreveria Nate para quem nunca viu a série, já que a estreia no Brasil será agora?

Nate era um agente de seguros e teve uma tragédia com o filho, que poderia ter sido salvo pela companhia de seguros em que ele trabalhava, mas que negou o tratamento da criança. Nate ficou sem dinheiro, desiludido e decidiu que não queria mais trabalhar nessa área. Como ele tem a habilidade de planejar coisas, ele abre uma empresa para ajudar as pessoas que foram enganadas. Ele percebe que o jeito de ajudar ele mesmo é ajudar outras pessoas.

No primeiro episódio, Nate diz que é um homem honesto e não um ladrão. Você concorda?

Ele acredita nisso e está indo atrás de pessoas que tiraram vantagem de outros. Isso não é ser ladrão. Ele quer pegar trabalhos que a lei deixou de lado.

Vocês parecem se divertir muito no set, com todas as situações de perigo... Como é o clima nas filmagens?

Me divirto muito fazendo a série. É uma turma incrível. Adoro trabalhar com eles e nos gostamos muito, então, é diversão genuína.

Não sei se você conversa com os roteiristas e pode adiantar se vamos entrar mais no passado de Nate na próxima temporada, para saber como ele se tornou o homem que é...

Converso com os roteiristas o tempo todo sobre o passado e futuro do personagem, mas ainda não sei exatamente o que vai ser. Há muitas possibilidades. Na primeira temporada conversamos muito, mudamos coisas.

O que vocês mudaram?

Só cenas e situações. Não tenho um bom exemplo, porque terminamos as filmagens em novembro, mas falamos sobre diferentes idéias de fazer as coisas e as pessoas que fazem a série estimulam isso.

Você já fez muito cinema e recentemente realizou vários trabalhos na TV. O que você acha da indústria televisiva hoje? Há mais qualidade?

Acho que há grandes roteiristas na TV e também no cinema. Mas acredito que nunca houve uma fase melhor na TV. É por isso que tantas boas produções estão surgindo e atraindo gente boa para realizá-las.

Você assiste à TV?

Sim. Gosto de Saving Grace, The Closer... Mad Men é um ótimo programa. Gosto de esportes e à noite não vejo muito porque tenho de me preparar para o trabalho no dia seguinte.

Mais conteúdo sobre:
TV&Lazer Leverage

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.