Danny Moloshok|Reuters
Danny Moloshok|Reuters

Criador de 'Mad Men' voltará com nova série

Matthew Weiner assinou acordo com a Amazon e The Weinstein Company para criar oito capítulos do programa

EFE

27 Outubro 2016 | 10h27

LOS ANGELES - O criador de Mad Men, Matthew Weiner, voltará à televisão com uma nova série graças a um acordo assinado com a Amazon e a The Weinstein Company, informou o site Deadline. Sem título e ainda sem muitos detalhes sobre o seriado, sabe-se que já está acertado o investimento de US$ 70 milhões para a produção de oito capítulos do programa. Os episódios do drama televisivo, que serão distribuídos via streaming, estão ambientados na atualidade e em diferentes partes do mundo, segundo as primeiras informações.

"Em uma época em que há tantas opções para o entretenimento, foi tremendo ver como (o diretor da Amazon Studios) Roy Price e Amazon se colocaram na primeira fila e fizeram decisões audazes", disse Weiner. "Estou verdadeiramente entusiasmado de ter a oportunidade de trabalhar com pessoas como eles e com Harvey (Weinstein) e The Weinstein Company, que tem comprovado seu antigo compromisso com as vozes criativas e a inovação", completou.

Está previsto que Weiner escreva e produza a nova série e que também a dirija até ao redor da metade dos primeiros episódios. Depois do sucesso incontestável de Mad Men, um agudo olhar para as mudanças sociais e políticas dos EUA desde a perspectiva de uma agência de publicidade, diferentes canais e produtores se mostraram interessados em participar do novo projeto de Matthew Weiner.

Mad Men, protagonizada pelo ator Jon Hamm, que interpretou o papel de Don Draper, ganhou quatro vezes consecutivas o prêmio Emmy de melhor série de televisão. Já a Amazon vem aumentando sua aposta em conteúdos televisivos, depois de produzir séries como Transparent e Mozart in the Jungle e trabalhar com Woody Allen em seu primeiro trabalho para a TV,  Crisis in Six Scenes

 

Mais conteúdo sobre:
Amazon Prêmio Emmy Woody Allen

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.