Clientes insatisfeitos

Durante o mês de setembro, as queixas dos leitores deste TV&Lazer, também assinantes dos canais bem pagos enviadas por e-mail, estiveram concentradas na escassa oferta de novidades entre os filmes de longa-metragem, a confusão na exibição desorganizada dos episódios das séries e a falta de maior oferta de documentários, uma tendência de crescente sucesso nos Estados Unidos e na Europa. Algumas mensagens foram bem específicas, como a de Luisa Beltrame, fã das aventuras da médica legista Crossing Jordan, da Universal. Luisa diz que as chamadas da série insinuam que a produção vai acabar. Estaria no ar a última temporada? Curiosa, ela não consegue nenhuma informação a respeito. Consultou a revista Monet, o site da Net, tentou mensagens eletrônicas e mesmo uma consulta à mesa branca dos mortos-vivos do atendimento - naturalmente foi mal-sucedida. Outras revelaram certa indignação com as manobras do tipo engana-trouxa aplicadas para disfarçar os irritantes repetecos. É o caso da anunciada apresentação de Hellboy, na HBO, como rara atração abrindo um pacote de produções em outubro. Ora, ora, o filme - bom para quem gosta do genêro - está sendo mantido na programação sob diversas bandeiras, faz muito tempo. A questão dos documentários preocupa mais: a mais nova mania nos EUA, os sete episódios sob o título geral War, que tratam da Segunda Guerra Mundial, não viraram sequer notícia. O gosto das pessoas por esse tipo de trabalho está produzindo o resgate de antigas produções, exibidas na telinha a cabo em dois ou três horários alternativos. Por aqui, vamos de Hellboy. Viver na Amazônia tem seus encantos. O médico José Carlos Mota registra: "a antena da minha casa-barco em Montenegro capta sinais com espetacular qualidade do mundo inteiro - até do Brasil".

Roberto Godoy, O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2007 | 22h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.