1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Christiane Torloni estreia no universo de Benedito Ruy Barbosa

- Atualizado: 28 Fevereiro 2016 | 04h 00

Atriz interpreta uma cantora do tropicalismo

Pense em Christiane Torloni na TV? Não tem erro: sempre se verá nela aquela mulher fina da zona sul carioca. Sua escalação como uma cantora baiana em Velho Chico, próxima novela das 9, que estreia em 14 de março, é indício evidente de que o diretor Luiz Fernando Carvalho gosta de fugir do lugar-comum. Carvalho fará de Torloni não só uma cidadã com acento baiano na fala, mas também par de Antonio Fagundes, o grande herói da história de Benedito Ruy Barbosa. E que ninguém veja aí a presença de uma cidadã do universo rural. O enredo se desenvolve nas cercanias do Rio São Francisco, mas Salvador, sua origem, prima pelo ritmo urbano, ela lembra.

Apesar dos ineditismos – acento nordestino, par com Fagundes e texto de Benedito –, o que não foge à regra do currículo da atriz é que Iolanda, sua personagem, não é nenhuma mulherzinha conformada com o que lhe resta, ao contrário. É apresentada como “uma mulher à frente de seu tempo”.

Iolanda nasce para o espectador com cara de Carol Castro. É ela quem interpreta o papel na primeira fase da história, quando Afrânio, personagem destinado a Fagundes, ainda é vivido por Rodrigo Santoro, que volta às novelas após 12 anos, para um participação especial em 18 capítulos. Afrânio se vê obrigado a deixar Iolanda para trás quando seu pai, coronel Jacinto, vivido por Tarcísio Meira, um latifundiário à beira do Rio São Francisco, morre, e ele volta para controlar o que pertence à sua família. Em ritmo de épico, a nova saga de Benedito, autor de Pantanal, Renascer, O Rei do Gado e Terra Nostra não deixa dúvidas sobre o DNA de seu universo e suas criaturas.

Algumas décadas depois, Iolanda terá deixado a música para trás e seguirá em busca do reencontro com seu grande amor. “Iolanda não é uma pessoa da terra, que dá milho às galinhas”, explica Torloni ao Estado em entrevista por telefone. “É uma mulher de origem urbana. Ela conhece o Afrânio em Salvador, quando ainda é uma cantora, na época de ouro do tropicalismo, dessa vibe Caetano, Gil, e anos depois, vai atrás dele para viver a história de amor dela. A composição é de uma mulher que se retira para o campo, não é uma mulher que vai colher algodão”, defende.

'Velho Chico'. Atriz fará par com Antônio Fagundes na novela das 9
'Velho Chico'. Atriz fará par com Antônio Fagundes na novela das 9

Pergunto se ela tem tido aulas de canto, se vai demonstrar em cena o ofício da personagem, mas, como a história conta que ela terá abandonado a carreira, quem surgirá cantando é Carol Castro, na primeira fase. A combinação entre os gestos, modo de falar e se movimentar da personagem tem sido alvo de grande estudo por parte de ambas. “A Carol já fez minha filha num filme do Márcio Garcia, foi o primeiro contato que a gente teve. E a gente tem umas parecenças: a Carol também fez a Dança dos Famosos e ganhou, a gente tem algumas coisas de gosto e estilo iguais, fora que tem uma coisa física, ela tem uma fisionomia muito delicada. Nesses workshops que estamos fazendo, tem toda uma orientação para a construção desse único personagem. Eu já fiz personagem duplo, em Cara & Coroa. O desafio ali era criar as diferenças, agora o interessante é criar essa experiência quântica. É como você olhar fotos de 30 anos atrás e dizer: ‘eu me vejo nessa mulher’, ‘eu me vejo nesse ar’. O grande desafio é criar essa alma comum. Os workshops funcionam extremamente para isso. Nós somos quase a última personagem a chegar, as escolhas da Iolanda tiveram um tempo enorme para serem feitas.”

Em algum momento, os criadores do enredo acharam que Iolanda poderia ser de origem espanhola, conta a atriz. Além de Benedito e Luiz Fernando, a criação está também nas mãos de Edmara e Bruno Barbosa, filha e neto do autor, que estão escrevendo o texto final da novela. “Adorei quando se formalizou que ela seria baiana, dessa beleza profunda. Vir dessa personagem da Bahia é uma outra raiz, que é maravilhosamente gostosa de lidar, tenho amigos baianos, tem uma preguiça no verbo, como eles dizem, é muito gostoso de falar.”

É bom avisar ao leitor/espectador habituado com os caricatos sotaques nordestinos que já desfilaram em novelas e séries da Globo que o acento, agora, virá com menos alegoria. O time estelar pode não denunciar, mas a verdade é que pelo menos metade desse elenco, senão mais, é formado por atores escolhidos no próprio Nordeste. A ideia é que eles influenciem, de alguma forma, o tom daqueles que estão aprendendo, com professores de prosódia e muito exercício, a falar com sotaque da região. Daí a sensação de que as falas estarão mais neutras, menos Tieta do Agreste, digamos, e mais próximas da realidade discursada no pedaço.

“O Luiz Fernando não está batendo um martelo se isso é dessa região específica, ele está criando um som para a novela, que não é falada no Rio nem em São Paulo, é um universo que ele vai construir, de Salvador ao interior da Bahia. O Rio São Francisco, aqui, também é um personagem”, lembra. “Estou muito feliz com essa brasilidade, acho que o universo vai muito por esse caminho, de apalpar características das nossas fábulas, dos nossos amores, o brasileiro ama de um jeito muito especial.”

As aulas ministradas ao elenco nos últimos meses também se empenharam em dados históricos sobre a elite nordestina, dos anos 1960 para cá, e dos rumos tomados em torno desse personagem citado por Torloni, o São Francisco. “Esse é um daqueles assuntos do Brasil que entristecem muito a gente, talvez o mérito da novela seja mostrar que é um rio, é muito mais que um acidente geográfico, ele é um elemento estrutural na cultura de um país, não pode ser destruído. Alguém imagina o Estado Islâmico dinamitando o Corcovado, uma das sete novas maravilhas do mundo? É preciso investir no rio e o antídoto para isso é a arte. Por isso é que a novela vem em boa hora.”

A sensação de estar participando desde outubro de uma grande preparação para a novela, sem ainda ter gravado, dá a Torloni a percepção de um universo que se assemelha a uma companhia de teatro, algo quase impensável para o ritmo industrial exigido por uma novela. “Fazemos aulas com as preparadoras físicas, trabalho de contexto, sensibilização com a história, é um mergulho no rio dos amores, da poesia.”

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX