1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Ator de ‘Demolidor’, Jon Bernthal não curtia HQs

- Atualizado: 18 Março 2016 | 12h 48

Passou a gostar de comics ao ganhar papel na série que estreia a 2ª temporada nesta sexta, 18

Jon Bernthal vive o Justiceiro, na série 'Demolidor'
Jon Bernthal vive o Justiceiro, na série 'Demolidor'

BUENOS AIRES - O ator escolhido para encarnar o Justiceiro, da Marvel, não gostava de quadrinhos, muito menos do próprio personagem. Jon Bernthal só passou a se interessar pelo universo dos comics depois de ganhar o papel e, com ele, o direito de distribuir pancadas e tiros que os assinantes da Netflix poderão ver a partir desta sexta-feira, dia 18, na segunda temporada da série Demolidor.

“Não tenho por que mentir, eu não gostava de quadrinhos. Quando eu consegui o trabalho, comecei a ler tudo o que podia e virei um grande fã. Hoje, vou ser encontrado facilmente com uma revista nas mãos”, disse ao Estado na quinta, 17, em Buenos Aires, em uma apresentação da Netflix que levou à capital argentina alguns dos protagonistas de seus principais produtos, como House of Cards, Orange is the New Black e The Ranch, que terá Ashton Kutcher no elenco.

Comedido nas palavras, Bernthal não aceita a classificação de anti-herói para Frank Castle, o personagem que busca um acerto de contas permanente com os assassinos de sua família. “Eu nunca seria capaz de fazer esse papel se não fosse um marido e pai. Eu me coloco no lugar dele”, explicou o ator americano, permanentemente carrancudo durante suas aparições no papel e, segundo ele mesmo, também nas gravações. “Não sou de ficar fazendo brincadeiras no estúdio.”

O personagem que exige tanta concentração é Frank Castle, um americano de origem italiana nascido no Queens, em Nova York. Castle é criado num ambiente católico, assim como o advogado cego Matt Murdock (Charlie Cox), a quem caberá defendê-lo de acusações de assassinato em sua busca por vingança. 

O defensor engravatado é a versão mais polida do Demolidor, que depois de perder a visão na infância sai à noite para distribuir socos e golpes de artes marciais em bandidos da vizinhança. 

Na nova temporada, o Demolidor tem a ajuda incômoda de Elektra Natchios (a francesa Élodie Yung, de origem cambojana), uma ex-namorada da faculdade que reaparece para aumentar ainda mais seus dilemas morais sobre a forma mais prática de fazer justiça.

Bernthal, o Shane de The Walking Dead, afirmou que sua passagem pela série de mortos-vivos teve a duração adequada. “Sou muito agradecido à série, tenho grandes amigos, mas acho que morri na hora certa. Pude sair e contracenar com grandes diretores e atores desde então”, afirmou ainda.

Frank Castle também é defendido pelos assessores de Murdock/Demolidor, seu sócio Foggy (Elden Henson), e a secretária/atual namorada Karen Page (Deborah Ann Woll).

“A missão do Justiceiro não é fazer justiça, não é algo mortal moral, não tem certo ou errado, não é limpar a criminalidade de Hells’ Kitchen (bairro nova-iorquino). Essa é a tarefa do Demolidor. Ele só quer vingar a morte da família dele”, defende Bernthal, que não foi escolhido por acaso para representar a série na apresentação na Argentina.

Seu personagem divide protagonismo com o Demolidor, que chegou ao serviço de vídeo há menos de um ano em 13 episódios, com a missão quase impossível de ser um super-herói, ser mais real. O Demolidor não lida com ameaças globais, mas os caras malvados de sua região.

Apesar de ser cego, seu personagem “enxerga” por uma espécie de radar criado pelos outros sentidos. O filme sobre o personagem, estrelado em 2003 por Ben Affleck e dirigido por Mark Steven Johnson, não foi bem-sucedido. 

No formato de capítulos, o Demolidor teve boa aceitação, tanto que foi colocada no ar a segunda temporada em menos de um ano. Embora não classifique a série como um produto infantil, o diretor de aquisição de conteúdo para crianças, adolescentes e família, Andy Yeatman, reconhece que produtos de super-heróis em formato de série costumam ter uma estrutura mais simples do que a do cinema e atingem também esse público. 

Ao Estado, ele afirmou que a Netflix superou percalços iniciais no Brasil, facilitando formas de pagamento, melhorando a qualidade do serviço e se adaptando a diferenças culturais. Ele destacou ainda que o mercado brasileiro de consumo infantil de produtos da empresa é o maior fora dos EUA.

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX