1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Análise: 'Arquivo X' retorna em boa forma, sem saídas fáceis

- Atualizado: 21 Janeiro 2016 | 21h 18

Atração que marcou início de produções de mistério nos anos 1990 está contemporânea, mas mantém o velho charme

David Duchovny, ator que dá vida ao agente Fox Mulder desde o início de Arquivo X, em 1993, está certo. É esquisito vê-lo novamente no papel do agente do FBI que investiga os casos mais inacreditáveis, de lobisomens a abduções alienígenas, ao lado de Gillian Anderson como a doutora Dana Scully, depois de tanto tempo. A série chegou ao fim em 2002, já sem força, e ainda ganhou uma sobrevida em 2008, com um filme mediano. 

Muita água passou por baixo da ponte de ambos. Duchovny, por exemplo, encarnou o canastrão escritor Hank Moody na série Californication, que aguentou firme por sete temporadas. O ator ganhou Globos de Ouro pelos dois personagens, com Mulder e Moody.

Arquivo X

Arquivo X

Gillian também deve à agente Scully o Globo que tem na estante, recebido em 1997, mas também seguiu o próprio caminho, entre tropeços e acertos, até encontrar a figura de Stella Gibson da série The Fall, um tiro bem no centro do alvo. 

Ambos voltam à telinha de Arquivo X – que estreia no Brasil à 0h, na madrugada de terça-feira, dia 26, na Fox, com a exibição de dois episódios inéditos na sequência – trazendo o peso dos anos distantes também para seus personagens. A estranheza do encontro de ambos – no universo real e na ficção – também transborda na primeira troca de olhares. Logo, contudo, passa. E a química, como mágica (ou por causa sobrenatural, tudo depende do que você acredita), volta escancarada, como se nunca tivesse ido embora. 

Mulder e Dana são a alma de Arquivo X. Não é por acaso que o seriado passou a derrapar em seus últimos anos quando os dois deixaram as funções de protagonistas. Grande acerto de Chris Carter, criador da série que também volta nessa nova minissérie de 6 episódios de uma hora, é colocar suas principais armas logo à mostra. Há, claro, outros retornos como de Walter Skinner (Mitch Pileggi) e do Canceroso (William B. Davis) e esses funcionam como serviço para os fãs e nada mais. A terceira arma de Carter é criar uma nova trama, capaz de unir suas principais estrelas. E se mostrar ótimo. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX