1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Ana Beatriz Nogueira e Felipe Camargo dão adeus a seus personagens de 'Além do Tempo'

- Atualizado: 15 Janeiro 2016 | 06h 00

Folhetim das 6, de Elizabeth Jhin, chega ao fim

Foram duas novelas dentro de uma só. O folhetim das 6 de Elizabeth Jhin, Além do Tempo, iniciou sua jornada situada no século 19, com cenografia e figurinos caprichosamente de época, mocinhos sofredores, grandes vilões e toda a carga melodramática cabível para aquele contexto. Com a trama já na metade do caminho – e o bom ibope já garantido –, a novela passou por uma reviravolta, até então inédita na TV: os personagens principais, Lívia (Alinne Moraes) e Felipe (Rafael Cardoso), morreram e, antes mesmo que o público lamentasse, eles apareceram na cena seguinte, 150 anos depois, reencarnados nos dias de hoje. Começava ali a fase contemporânea da novela, com todo o elenco vivendo os mesmos personagens, com nomes iguais, novas vidas – e uma segunda chance para acertar relações e questões mal resolvidas. Tudo partia do zero mais uma vez: cenografia, figurinos, interpretações, trilha sonora.

Após essa guinada, elenco, direção e equipe corresponderam com talento ao desafio proposto pela autora. E o público, aguçado primeiramente pela curiosidade e, depois, fisgado pela fluidez da narrativa, manteve sua fidelidade. Após fazer história, Além do Tempo chega ao fim nesta sexta, 15, e será substituída na faixa das 18h da Globo na segunda-feira, dia 18, por Êta Mundo Bom!, de Walcyr Carrasco. Nesse clima de adeus, Felipe Camargo e Ana Beatriz Nogueira se despedem de seus personagens Bernardo e Emília, que formam outro par romântico importante de Além do Tempo. Na primeira fase, o casal via sua história de amor tumultuada pelos planos de Vitória (Irene Ravache), então mãe de Bernardo. Na segunda fase, os dois se reencontraram, se estranharam à primeira vista, mas o antigo amor deles falou mais alto.

Na nova fase, Emília voltou como filha de Vitória, que a abandonou quando criança. Ela passou a vida achando que a mãe nunca quis saber dela e, por isso, queria se vingar. O que Emília não sabia, e descobriu há alguns capítulos, é que Vitória, arrependida, a procurou logo depois de tê-la deixado e o ex-marido Alberto (Juca de Oliveira), pai de Emília, mentiu, dizendo que a filha deles havia morrido.

Sintonia. Ana Beatriz e Felipe no Projac: bom desempenho como casal na novela das 6
Sintonia. Ana Beatriz e Felipe no Projac: bom desempenho como casal na novela das 6

Por isso, de vítima de Vitória na primeira vida, Emília virou uma espécie de algoz dela na segunda. “Emília não é exatamente uma vilã, porque a questão dela é com uma pessoa e não com todas. É direcionada a essa mãe”, analisa Ana Beatriz. “Acho que ela é vítima também. Na segunda encarnação, de vilão há o Pedro (Emílio Dantas), a Melissa (Paolla Oliveira), que agem de má-fé, estão mais para loucos até.”

Nessa reta final, Ana Beatriz Nogueira e Irene Ravache, aliás, protagonizaram uma das cenas mais emocionantes da novela. Em mais um embate entre suas personagens, Vitória, de Irene, descobre que Emília, de Ana Beatriz, é a filha que, por muitos anos, achou que estava morta. Ressentida, Emília não quer acreditar em Vitória quando ela lhe diz que é sua mãe, mas, ao mesmo tempo, vacila diante da revelação. O olhar de Emília revela o doloroso duelo entre a emoção e a razão. O olhar de Vitória brilha com a descoberta da filha viva. Um momento decisivo conduzido pelas belas interpretações das duas atrizes. “Vi a cena depois e me emocionei. A Irene também. Quando a gente faz, está tão envolvida. Não foi uma cena raciocinada, foi de se colocar na situação.”

As duas garantiam outro momento ‘lencinhos na mão’ na quarta-feira, 13, quando Emília acordou do coma, após sofrer um acidente de carro, olhou para Vitória e reconheceu nela a sua mãe.

Para Ana Beatriz Nogueira, fazer as duas Emílias numa mesma novela, preservando a matriz da personagem, mas com tons e nuances diferentes nos dois momentos, foi um desafio “interessante”. “Na primeira fase, a gente começava com todo um cronograma e muitos capítulos, em que já se tinha uma visão da personagem. Na segunda encarnação, a própria Beth (autora) estava criando, fazendo uma coisa revolucionária, e a gente também foi criando junto”, conta a atriz. “Achei que foram todos muito corajosos e muito abertos para esse trabalho, com um bom humor o tempo todo. As pessoas muito felizes de estarem fazendo aquele trabalho.”

Felipe Camargo também gostou da experiência com seus dois Bernardos. O primeiro tinha lapsos de memória e o segundo é um escritor documentarista, “que dá memória às coisas, que registra, é meio que um complemento do que faltou na outra vida”, compara o ator. “A novela é uma obra aberta e longa. Geralmente, no capítulo 85, como foi o caso, você já está mais estabilizado no personagem, claro que tem cenas mais difíceis, mas o personagem já está achado”, comenta ele. “Por mais que a Elizabeth (Jhin) tenha planejado isso, antes de escrever propriamente, foi uma novela nova. Isso foi muito estimulante.”

Projetos. A boa sintonia de Ana Beatriz Nogueira e Felipe Camargo na tela é uma extensão do bom entendimento deles nos bastidores, contam eles. “A Ana é uma grande atriz e tem uma coisa parecida comigo: eu não gosto muito de ensaiar. Geralmente, a gente pedia para gravar direto. Às vezes, você faz coisas no ensaio e, na hora do ‘gravando’, não ocorre como ensaiou. A gente falava ‘vamos ensaiar gravando’ e acabava valendo.”

Os dois atores compartilharam também outra cena tocante na última quarta-feira. Olhando com ternura para Emília, ainda em coma na cama do hospital, Bernardo declara seu amor a ela. Esse amor que atravessou séculos. “O elo dos Bernardos é o amor”, diz Felipe. “Os personagens se gostam independentemente das críticas que um tem do outro, é muito bonito a Beth escrever isso. Eles são diferentes, mas ficam juntos”, completa a atriz.

Após o fim da novela, Ana Beatriz vai se voltar ao teatro, em que atua também como produtora. Ela planeja trazer duas peças suas para São Paulo este ano: Um Pai (Puzzle), baseado no livro homônimo de Sibylle Lacan, e Tudo Que Eu Queria Te Dizer, adaptada do livro de Martha Medeiros. Já Felipe veio de uma maratona de trabalhos seguidos: integrou o elenco de Malhação, participou da série canadense Sensitive Skin, com a atriz Kim Cattrall (de Sex and The City), e emendou o Bernardo de Além do Tempo. Por isso, até fevereiro, não tem nenhum projeto na mira. Segundo o ator, existe a chance de ser feita a 3.ª temporada de Sensitive Skin no Brasil. “Tomara que dê para fazer aqui”, diz o ator.

Ana Beatriz Nogueira e Felipe Camargo podem ser vistos também em duas reprises: ela, em Caminho das Índias (2009), no Vale a Pena Ver de Novo, na Globo, como a divertida Ilana, e ele, em Despedida de Solteiro (1992), no canal Viva, como o denso João Marcos. Mas, para eles, o momento ainda é de Além do Tempo. “Me despeço em estado de encantamento”, diz Ana Beatriz. Felipe também: “Lendo o último capítulo outro dia, me deu uma dor. Sei que vai dar saudade.”

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX