1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

A trajetória de Marília Pêra ganha fotobiografia

- Atualizado: 25 Janeiro 2016 | 04h 00

LIvro com mais de 750 imagens resgata carreira de atriz que faleceu no ano passado

O palco sempre se iluminava para a entrada de Marília Pêra, uma das maiores atrizes brasileiras, que morreu em dezembro, aos 72 anos. Com um raro talento para representar drama, comédia ou musical, Marília transformava o ato de representar em algo sublime. Arte com a qual teve contato desde os primeiros meses de vida, como se comprova no livro Marília Soares Marzullo Pêra, uma fotobiografia idealizada por ela e sua irmã, Sandra.

Foi um dos últimos trabalhos de Marília, que morreu de câncer nos ossos e pulmões. Ela chegou a ver pronto o livro com mais de 750 imagens e o lançamento estava previsto para 15 de dezembro. Mas foi adiado com o agravamento da doença e ocorre nesta segunda-feira, 25, na Livraria da Travessa do Leblon, no Rio – ainda não há data prevista para São Paulo.

No evento carioca, estarão presentes Sandra e Nélida Piñon, autora do prólogo do livro. “Magra, da aparência frágil, o imenso talento de Marília Pêra superava os obstáculos, multiplicava-se em cena”, escreve a autora. “Dotada de artimanhas teatrais, ela representava, dançava, cantava, enquanto detalhava a natureza dos textos com a mesma perspicácia de quem os escrevera.”

Marília Pêra faleceu no ano passado
Marília Pêra faleceu no ano passado

Marília era filha de atores e, mesmo não trazendo o sobrenome da mãe (Marzullo) em seu registro oficial, decidiu colocá-lo no título do livro, como homenagem à linhagem artística que a originou. A obra traz principalmente fotos, desde o trabalho teatral dos pais, passando pelo nascimento de Marília e depois Sandra, até acompanhar detalhadamente a carreira da primogênita.

Acompanhar a evolução artística de Marília representa descobrir momentos importantes do teatro, cinema e TV no Brasil. Ela atuou em 49 peças, 29 novelas e 24 filmes, recebendo mais de 80 prêmios. Como começou ainda menina, conviveu com diversas gerações de artistas, como Henriette Morineau, Procópio Ferreira, Paulo Autran, Fernanda Montenegro, Marco Nanini e Miguel Falabella, entre outros.

Aliás, o livro traz ainda reproduções de bilhetes deixados pelos colegas, desde o desejo de sucesso na peça que estava para estrear, escrito por Míriam Muniz, até um elogio rasgado (“se existisse uma língua superior, eu a usaria para te dizer o quanto te admiro”) do cineasta Hector Babenco, que a dirigiu nos filmes O Rei da Noite (1975) e, principalmente, Pixote, a Lei do Mais Fraco (1980), um dos principais trabalhos de Marília.

As fotos revelam ainda a versatilidade da atriz, que representou a vida de figuras notáveis, como Carmen Miranda, Dalva de Oliveira, Maria Callas, Coco Chanel. Viveu também figuras anônimas, como Mariazinha, a solteirona virgem, e Darlene, a mulher do povo, que se tornaram marcantes graças à sua atuação.

“Zelosa da linguagem teatral, Marília Pêra reverenciou o peso histórico da arte”, escreve ainda Nélida Piñon, no prefácio. E conclui: “Assumia no palco a nossa humanidade”.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX