1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

'Vermelho Labirinto' trama debate político sobre a arte e a mulher

- Atualizado: 16 Março 2016 | 20h 21

Peça entra em cartaz nesta sexta-feira, dia 18

Os recentes discursos divulgados nas redes sociais têm confirmado cada vez mais o caráter polarizado da política nacional. E, assim como muitas outras, essa afirmação corre o risco de ser pinçada e utilizada fora de seu contexto e significado. Na web, bastam apenas uns poucos cliques para transformar alguém em um monstro. E, em se falando de monstro, é bom lembrar de um que é sagrado, Nelson Rodrigues, figura controversa do teatro que disse, certa vez: “Para salvar a plateia, é preciso encher o palco de assassinos, adúlteros, insanos e, em suma, de uma rajada de monstros”.

Um trecho dessa frase é relembrado pelo diretor e dramaturgo Pedro Granato, que estreia nesta sexta, 18, Vermelho Labirinto, no Sesc Pinheiros. “Muitos consideram Nelson machista, mas ele foi capaz de discutir sobre a opressão à mulher. O espetáculo, entretanto, vai por um caminho alternativo. Em conversas com as atrizes Anna Zêpa e Rita Grillo, o trio navegou pelas timelines das redes sociais e registrou o ódio que é facilmente propagado pelas palavras.

Na montagem, duas mulheres, uma advogada e uma performer, se encontram de maneira indireta. O marido da advogada é um crítico de arte que vai entrevistar a artista em Veneza. O homem nunca aparece e, aos poucos, como muitas vezes acontece quando se publica um post, surgem discussões sobre o ciúme, o universo das artes e da política. “Percebemos que, nas redes sociais, há sempre a necessidade de rotular”, conta Anna. “Ações como falar ao telefone têm se tornado raras. As pessoas nem sequer estão interessadas em conhecer as razões do outro e fica cada vez mais difícil manter um diálogo”, justifica.

Elas. As relações na era da internet
Elas. As relações na era da internet

Mesmo sem a presença do homem, um triângulo imaginário se forma e dialoga. “Como uma mesma frase pode ter diversas interpretações, as pessoas passam a viver em um estado de vigilância e de quebra de sigilo, como na rotina política. E esses crimes só ocorrem porque dizem respeito ao humano, coisas do nosso feitio”, conta Granato. “Pensamos em observar esse panorama em um microcosmo”, analisa o diretor.

Uma das discussões relativas ao título da montagem, é o fato de a performer usar só roupas vermelhas. “Imagine o risco de sair assim na rua”, conta Anna, lembrando da manifestação de domingo, 13. Ela integra a companhia As de Fora e, em 2013, interpretou contos do escritor Mia Couto no espetáculo Ninguém no Plural, ao lado da atriz portuguesa Tânia Reis e sob a direção de Rita Grillo.

Granato explica que temas como o aborto também surgiram, já que é um tema urgente para as mulheres. Ainda assim, Anna conta que a nova montagem não tem a intenção de ser uma cartilha feminista e, para Granato, o objetivo é buscar o contraditório, mas sem nunca ceder a ideias limitadoras.

Anna Zêpa é autora de poemas curtos que foram reunidos no livro A Convivência dos Nossos Rastros, lançado no ano passado. Mas, antes de publicá-los, ela preferiu espalhar os textos em cartazes pelos muros da cidade. E, para enfrentar o turbulento mundo de hoje, Anna lembra de um verso seu: “Morro a cada saudade que não mato”.

VERMELHO LABIRINTO

Sesc Pinheiros. Rua Paes Leme, 195, tel. 3095-9400. 5ª a sáb., 20h30. De R$ 7,50 a R$ 25. 70 min. 14 anos. Até 16/4. Estreia 5ª (17). 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX