1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

'Sonata Fantasma Bandeirante' ressuscita as fundações do Brasil

- Atualizado: 13 Março 2016 | 03h 00

Espetáculo com Alessandra Negrini resgata as memórias do povoado São Paulo do Piratininga

É dentro de um baú que estão guardados grandes segredos, mentiras e revelações sobre a fundação do Brasil. São os chamados inventários dos bandeirantes que contêm testamentos deixados pelos homens durante suas expedições em busca de ouro e escravos.

Os documentos reunidos foram abertos pela primeira vez pelo então governador paulista – e depois presidente do Brasil – Washington Luís (1869-1957). No palco de Sonata Fantasma Bandeirante, em cartaz no Sesc Ipiranga, esses documentos foram reproduzidos em tamanho real. “Estão descritos relatórios de bens e informações sobre a rotina das expedições, bem como das heranças deixadas”, explica o dramaturgo e diretor amazonense Francisco Carlos.

A montagem teve como ponto de partida Vida e Morte Bandeirante, de Alcântara Machado. Na obra dividida em cinco volumes, o autor faz uma reconstituição do passado de alguns municípios e de algumas personalidades entre os períodos de 1578 e 1700.

Horror. Lembranças revivem para assombrar a família
Horror. Lembranças revivem para assombrar a família

A escolha do dramaturgo faz um recorte no século 1600 e se localiza no povoado de São Paulo do Piratininga, fundado em 25 de janeiro de 1554 por doze padres, entre eles Manuel de Nóbrega e José de Anchieta.

O acampamento podia ser encontrado entre os rios Anhangabaú e Tamanduateí. “Era um dos principais lugares. Lá, os bandeirantes também planejavam suas expedições”, conta Carlos. O autor já desejava pesquisar os primeiros casos de conflito étnico ocorridos na fundação que matou indígenas e escravizou negros no Brasil. No entanto, Carlos conta, o ato de fazer essa revisão faz surgir nuances na narrativa. “Toda história é uma falsificação. São edições e hipóteses levantadas”, afirma ele.

Em sua perspectiva, Carlos resgata as lembranças de uma ambígua família, comandada pelo patriarca, vivido por Daniel Faleiros, e sua mulher, personagem de Alessandra Negrini. O papel do jovem filho é dividido por Begê Muniz e Daniel Morozetti. “Aos poucos, os vestígios vão surgindo e as memórias passam a assombrar como fantasmas”, conta o autor.

Por meio de uma narrativa fragmentada, a Sonata revolve episódios de traição e morte. O marido evita a mulher, enquanto tem relações com as índias e as negras escravas. A mulher, em ódio, castiga. No palco, um filho hamletiano invoca a presença do pai que já está morto. Alessandra ressalta o empenho do diretor. “Fran tem um olhar muito cinematográfico, seu texto tem cortes secos e rápidos”, analisa.

Autor da tetralogia Jaguar Cibernético, Carlos tem em seu repertório obras que procuram causar fricção pensando na tríade animais-homens-deuses. O resultado foi montagens intituladas Banquete Tupinambá, Aborígene em Metrópolis, Xamanismo The Conection e Floresta de Carbono – De Volta ao Paraíso Perdido. “São exercícios de mergulhar nessas épocas para, em seguida, criar um certo distanciamento e seguir na busca por compreender esse jogo de dominador e dominado.”

SONATA FANTASMA BANDEIRANTE. Sesc Ipiranga. R. Bom Pastor, 822. Tel.: 3340-2000. Sex., sáb., 21h; dom., 18h. R$ 9/R$ 30. Até 24/4. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX