Serjão Carvalho/Estadão
Serjão Carvalho/Estadão

Regina Duarte substitui Alessandra Negrini na última sessão de 'Volta ao Lar'

Atriz também assina a direção do espetáculo

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

05 Dezembro 2017 | 06h02

Regina Duarte assume o palco do Teatro Eva Herz, na noite desta terça, 5. Não se trata de uma estreia, pois acontecerá somente uma apresentação. Ela assume o papel que vinha sendo ocupado por Alessandra Negrini na peça Volta ao Lar, desde o início de outubro. “Ela não conseguirá participar da última encenação, pois vai filmar. Como não quis convidar alguém para apenas uma encenação, decidi fazer”, conta Regina, que assina a direção do espetáculo, a terceira de sua carreira - já assinou Raimunda, Raimunda, em 2012, e A Volta para a Casa (2014).

+++ Regina Duarte tenta captar R$ 2 milhões pela Lei Rouanet para nova peça de teatro

Foi ela quem decidiu montar agora o texto de Pinter (1930-2008), um dos principais dramaturgos da cena mundial, ganhador do prêmio Nobel de Literatura de 2005. “Vivemos hoje tempos conturbados, com muita falta de afeto”, crê Regina. “E esse texto espelha essa intransigência nas relações com perfeição.”

+++ Atriz solta o verbo sobre Regina Duarte: 'sempre usou ponto, nunca decorou'

Estreada em 1964, Volta ao Lar reconta a lenda bíblica da volta do filho pródigo, mas aqui tal retorno não é festejado. O ressurgimento do primogênito Teddy (Mauricio Agrela) dá início a um diabólico ritual, no qual as ansiedades são exacerbadas e as revoltas, liberadas. Isso porque Teddy volta ao lar depois de oito anos e apresenta sua mulher, Ruth (hoje, Regina Duarte), aos familiares.

Os parentes de Teddy têm tradição no trabalho com açougue e, desde a morte da mãe do rapaz, o clã tornou-se eminentemente masculino: seu pai Max (Igor Kowalewski), os irmãos Lenny (Rodrigo de Castro) e Joey (João Carlos) e o tio Sam (Ivan Bellangero). É a chance para Pinter dissecar a dinâmica familiar estruturada no paternalismo.

+++ Regina Duarte vive nova fase em peça de suspense

Autora da tradução da peça para o português (“Claro que me apoiei na já clássica versão de Millôr Fernandes”), Regina assumiu a função pois decidiu promover cortes no original. “Tirei quase uma hora de texto, pois, nos tempos atuais, as pessoas não têm mais a concentração que tinham em 1964”, justifica ela, sentindo-se satisfeita. “Acho até que o Pinter gostaria das eliminações que fiz.”

E, para viver hoje o papel de Ruth, Regina também excluiria palavras que ressaltam a juventude da personagem. “Não é preciosismo - acho que ficaria ridículo, pois não tenho mais a idade dela.”

Aos 70 anos e 38 novelas no currículo, Regina Duarte se sente confortável em seu atual papel artístico. Nos últimos anos, fez importantes participações especiais como em Sete Vidas (2015), na qual viveu a homossexual Esther, A Lei do Amor (2016) e, neste ano, em Pega Pega. A falta de protagonismo a incomodou, ela confessa, mas fez um ajuste de forma a encarar a situação de frente.

Ainda uma das grandes atrizes da teledramaturgia brasileira, ela está na novela das 18h da Globo, Tempo de Amar, em que vive a dona de um cabaré e que logo fará par romântico com Tony Ramos, algo que não acontecia desde A Rainha da Sucata, de 1990. “Já estou me divertindo por antecipação, pois é sempre estimulante dividir a cena com alguém tão talentoso como o Tony”, diz ela, que vive Madame Lucerne. “Não podemos dizer que ela é dona de um bordel, mas de um cabaré, pois se trata da novela das 6”, diverte-se.

Regina conta que escolhe os papéis pelo desafio oferecido em cada novela e já se sente confiante para recusar personagem quando percebe que será a repetição de algo que já fez. Foi assim, por exemplo, em Três Irmãs (2008), em que pediu para não fazer novamente um mesmo tipo e acabou ganhando a divertidíssima Valdete.

Apesar da grande experiência na televisão, Regina não se arrisca a dirigir algum programa. “Os produtos da TV são muito mais complexos que uma peça de teatro, envolvem muitas pessoas. Meu trabalho criativo funciona melhor com poucas pessoas.”

Na conversa que teve com o Estado, Regina pediu para que o assunto não enveredasse para a política - ainda se sente incomodada com a polêmica em que acabou envolvida às vésperas da eleição de 2002, quando confessou seu receio em relação a uma possível vitória do PT na Presidência.

A entrevista, no entanto, segue naturalmente para o tema quando Regina conta que pretende dirigir um dos grandes sucessos de Juca de Oliveira como autor, Caixa 2, de 2000. O projeto foi aprovado na Lei Rouanet e agora seu produtor busca patrocínio incentivado.

O enredo traz uma trama simples: planejando um calote, um banqueiro inescrupuloso aproveita a ingenuidade de sua secretária e a usa como “laranja” para a transferência de uma enorme quantidade de dinheiro. O problema surge quando o depósito, em vez de ser realizado na conta da moça, vai para a do gerente do banco, um homem honesto e reputado. 

“A peça tem a possibilidade de mostrar para as pessoas como funciona o caixa dois e como somos roubados, quando isso acontece”, afirma. “É um assunto que continua atual e espero que, no ano vem, o Brasil dê a grande virada: é na eleição que temos de escolher, pois muitos políticos são muito legais apenas para eles.”

QUEM É?

HAROLD PINTER - DRAMATURGO INGLÊS

Nascido em Londres, em 1930, foi dramaturgo e ativista político. Estreou com Festa de Aniversário (1967), em que revelou sua principal característica: retratar vidas cotidianas colocadas diante do inesperado. Escreveu ainda Traição e O Porteiro, num total de 29 peças. Morreu em 2008.

VOLTA AO LAR

Teatro Eva Herz 

Livraria Cultura. Conjunto Nacional. Av. Paulista, 2.073. Tel.: 3170-4059. Hoje (5/12), 21h. R$ 50

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.