1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Público do Rio ganha cinco teatros em seis meses

- Atualizado: 17 Fevereiro 2016 | 03h 00

O Ziembinski reabre na zona norte, área pouco privilegiada, que também receberá o novíssimo Cesgranrio

RIO - Wolf Maya reconhece: a iniciativa de construir um teatro com recursos próprios – e de mantê-lo aberto, sem apoio estatal ou privado – requer mais do que coragem. “É uma atitude meio suicida”, brinca o diretor da TV Globo, que investiu R$ 12 milhões no Teatro Nathalia Timberg, impulsionado pela experiência no Teatro Nair Bello, em São Paulo, também empreendimento seu, desde 2007. A nova casa abriu há quatro semanas na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. 

“Teatro sempre deu prejuízo. Todos os que foram criados por atores e diretores fecharam. Numa época de meia-entrada, verbas pequenas de patrocínio e temporadas curtas, é ainda mais difícil de manter”, disse Maya. “Vendi vacas que herdei da família em Goiás e conto com a renda da minha escola de teatro, como fiz no Nair Bello.”

Ziembinski. Teatro passou por obras estruturais e reabre com peça de Fernanda Torres
Ziembinski. Teatro passou por obras estruturais e reabre com peça de Fernanda Torres
Os 400 assentos do Nathalia Timberg e os 100 da Nathalinha, a segunda sala, se somam a outros 1.769 que o Rio está ganhando neste primeiro semestre. O circuito carioca foi acrescido de mais cinco teatros: dois antigos palcos que estavam desativados e foram reabertos e três novidades. Nenhum deles na zona sul, a área mais privilegiada com esses equipamentos. 

Hoje, reabre o Teatro Ziembinski, na Tijuca (zona norte), bairro onde também será inaugurado, mês que vem, o novíssimo Teatro Cesgranrio, um antigo auditório. O centro, que recebeu de volta o histórico Serrador em janeiro, verá nascer até junho o Riachuelo, o maior entre eles, com 1.080 lugares.

“Espero que os novos teatros venham sacudir o marasmo em que a gente está vivendo. As pessoas falam só de educação, mas esquecem que ela é decorrência da cultura, não o oposto”, considera Nathalia Timberg, em cartaz no “seu” teatro com 33 Variações, sucesso da Broadway de Moiseis Kaufmann, com Wolf como ator e diretor. 

O Serrador e o Ziembinski são teatros da Prefeitura do Rio que estavam fechados. O primeiro, na Cinelândia, parou por dois anos. Recebeu agora novos carpetes, cortinas e ar-condicionado. A reestreia marcou a volta de Bibi Ferreira ao palco onde ela surgira profissionalmente, há 75 anos. A noite foi cheia de simbolismos: o Serrador foi inaugurado em 1940 com um montagem da companhia de Procópio Ferreira (1898-1979), pai de Bibi, hoje com 93 anos.

Erguido pelo ator Walmor Chagas em 1988, o Ziembinski ficou em obras estruturais por seis meses. O telhado foi consertado para que parasse de chover na plateia. O palco teve o piso trocado. Quem vai reabri-lo é a atriz Fernanda Torres, com seu monólogo A Casa dos Budas Ditosos, com récitas hoje, para convidados, e no dia 25 para o público. “Walmor é um dos maiores atores que o Brasil conheceu. Tenho uma admiração tão grande por ele quanto por Ziembinski, diretor e ator genial. O teatro guarda a lembrança desses dois homens tão importantes”, afirmou Fernanda. 

Os teatros municipais praticam preços populares – até R$ 40, sendo que a maior parte do público paga meia, por ser carioca ou residente na cidade. Os espaços também são mais atraentes para os produtores, pois não há a cobrança de um valor mínimo de aluguel, apenas de 15% da bilheteria. Ambos receberão residências artísticas, que darão o tom da programação, explica o secretário de Cultura, Marcelo Calero.

O Teatro Ziembinski, na Tijuca, zona norte do Rio, será inaugurado na quarta-feira, com o monólogo "A casa dos budas ditosos", de Fernanda Torres
O Teatro Ziembinski, na Tijuca, zona norte do Rio, será inaugurado na quarta-feira, com o monólogo "A casa dos budas ditosos", de Fernanda Torres
“Precisamos de mais teatros públicos. Nos particulares, cobra-se um mínimo de até R$ 16 mil por semana, um valor absurdo”, relata o presidente da Associação de Produtores de Teatro do Rio, Eduardo Barata. Segundo o presidente da Fundação Cesgranrio, Carlos Alberto Serpa, o Teatro Cesgranrio terá esse caráter: “Nossos artistas merecem mais uma casa de espetáculos, mas desta feita com características não lucrativas”.

À exceção do Cesgranrio e do Nathália Timberg, as demais salas têm metrô na porta, característica importante para a diversificação da plateia. Do Riachuelo, “são 32 passos” até a estação Cinelândia, conforme ele se anuncia. Trata-se do Cine Palácio, ao qual é creditada a exibição do primeiro filme sonoro do Brasil, em 1929. Tombado, o prédio, de 1890, foi reformado pelo Fundo Imobiliário Opportunity. A Aventura Entretenimento (produtora de musicais como A Noviça Rebelde e Elis – A Musical) vai operar o teatro. 

A abertura será com um musical intitulado Garota de Ipanema, dirigido por Andrucha Waddington. “Dificilmente um teatro desse tamanho se sustenta sem patrocínio, não dá para contar só com a bilheteria”, diz Aniela Jordan, sócia da Aventura, que gere também o Oi Casa Grande, no Leblon, explicando o contrato com a rede de lojas Riachuelo.

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX