1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Peças dentro de peças indagam qual é o lugar da crise nos palcos

- Atualizado: 12 Fevereiro 2016 | 06h 00

Espetáculos dialogam com a metateatralidade e embalam na fantasia da cena a realidade da produção teatral e seus desafios

São Genésio não tem descanso. O padroeiro que olha pelas causas dos atores e dos músicos tem se ocupado cada vez mais de ouvir e atender às preces de seus devotos. Em Caminhamos Nus Empoeirados, o santo é invocado logo no início do espetáculo e, enquanto o ator Victor Mendes faz um número musical, Gero Camilo passa o chapéu para recolher as doações. “Só vale dinheiro de verdade. Teatro é só ali no palco”, ele brinca com o público.

Embora seja real, a cena embala o jogo teatral de dois atores itinerantes que buscam viver e sobreviver como artistas. Tal qual o chapéu de São Genésio, Camilo não recolheu muita coisa naquela noite. Para ele, isso não justifica uma “crise” no teatro. “Existe um sucateamento cultural e artístico. Não é um problema do teatro, diz respeito ao todo”, continua. “Mas por ser uma obra muito direta, ele é duramente abatido.”

Essa aparente fragilidade da produção teatral também foi percebida pela Nossa Companhia, que estreia hoje Quase Uma Adaptação, inspirada no conto Casa Tomada, de Julio Cortázar. A peça narra, por meio da metalinguagem, a história de um grupo de teatro que está ensaiando na sede de sua companhia até que, subitamente, barulhos estranhos passam a assombrar o local.

Caminhar. Gero Camilo e Victor Mendes resistem com o pé na estrada
Caminhar. Gero Camilo e Victor Mendes resistem com o pé na estrada

A escolha de montar o texto surgiu há dois anos, durante a sessão do Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp), que registrou 22 grupos de teatro como patrimônio cultural imaterial. Ainda assim, a decisão não garantiria a proteção do espaço físico das companhias. “Foi então que vimos grupos como o Núcleo Bartolomeu perderem suas sedes para a especulação imobiliária”, relembra a diretora Tatiana Bueno. Movido por esse argumento, o grupo tomou o conto de Cortázar como um manifesto. “O que são esses barulhos? A especulação é apenas um deles que tenta tomar esses espaços”, conta o dramaturgo Lucas Lassem.

Para Camilo, que não integra uma companhia, as dificuldades perpassam a burocracia para obter os editais e patrocínios que concretizem suas criações. Sem suporte financeiro, o elenco sustenta a temporada no Teatro Nair Bello com o dinheiro do próprio bolso. “Ou fazíamos a peça como um ato de resistência, ou esperávamos conseguir um edital”, diz o ator. “Mas o teatro não pode parar.”

E se as portas de alguns espaços se fecharam, “nós vamos cavar outros”, também afirma a atriz da Nossa Companhia, Alexandra da Matta. E é o caso deles, que não estreiam em um teatro, mas vão cumprir temporada no auditório da Biblioteca Mário de Andrade. O consultor histórico da peça, Ricardo Cardoso, é otimista. “A sociedade é um organismo, ela trata de cria novos espaços para se recompensar.”

Barulhos. Especulação imobiliária assombra o trabalho da Nossa Cia.
Barulhos. Especulação imobiliária assombra o trabalho da Nossa Cia.

Camilo também crê que a solução é ir em frente. “O teatro é uma revolução e uma arte muito potente. Tem que colocar o espetáculo no palco”, conta. “É um equívoco se fragilizar pelas dificuldades.” Com um passo de cada vez, os atores levarão Caminhamos Nus... para o Rio Grande do Sul, Campinas e mais duas cidades. Até o mês de agosto, a dupla quer estrear um novo trabalho sobre os 100 anos do samba. Camilo arremata que isso fortalece a arte de Dionísio. “Não vou me apiedar. O frágil de toda essa história sou eu, não é o teatro.”

CAMINHAMOS NUS EMPOEIRADOS. Teatro Nair Bello. Rua Frei Caneca, 569. 3º Piso. Tel.: 3472-241. 6ª., 21h30; sáb., 21h; dom., 19h. R$ 50/ R$ 25. Até 6/3

QUASE UMA ADAPTAÇÃO. Biblioteca Mário de Andrade. R. da Consolação, 94, Auditório; 3775-0002. 5ª, 6ª, sáb., 20h; dom., 18h. Até 20/3. Grátis. Estreia 12/2

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX