1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Paulo Gustavo reestreia em São Paulo o espetáculo '220 Volts'

- Atualizado: 08 Janeiro 2016 | 19h 51

Ator traz as personagens mais 'bombadas' do programa

Paulo Gustavo está feliz da vida comemorando os 3,4 milhões de espectadores que fez com Vai Que Cola - O Filme. Logo, logo, ele começa a filmar Minha Mãe É Uma Peça 2, para estrear no fim do ano. Paulo pertence ao time dos pesos pesados nas bilheterias do cinema brasileiro, um time seleto que inclui Ingrid Guimarães, Fábio Porchat e Leandro Hassum. Todos fazem cinema e TV, Porchat e ele não desistem também do teatro. Paulo Gustavo reestreou na sexta, 8, em São Paulo a montagem de 220 Volts que vem percorrendo o País há um ano. No palco do Tom Brasil, de sexta a domingo, até dia 24, ele retoma os personagens preferidos do programa do Multishow.

Os personagens, não - ‘as’. A peça é centrada em seis figuras de mulher. A Mulher Famosa, a Feia, a Vagaba, etc. Paulo adora fazer humor em cima de estereótipos femininos. “Fui criado por mulheres, não tive muitas referências masculinas. Para mim, mulher dá sempre pano para mango. E é mais divertida que homem.” E ele acrescenta que o público sempre pedia a volta do programa. “Resolvi fazer o espetáculo trazendo as figuras mais queridas, as mais bombadas.” A produção agrega valores - um dos figurinos, criado por Fause Haten, é composto por 60 mil cristais Swarovski, as perucas são importadas. Podre de chique. Paulo Gustavo relativiza.

Ivonete. A sambista favelada impôs-se como uma das favoritas do público no programa de TV
Ivonete. A sambista favelada impôs-se como uma das favoritas do público no programa de TV

“Os cristais não são Swarovski e as perucas são importadas porque comprei em Nova York. Tem uma de US$ 30, outra de US$ 8, a mais cara custa US$ 150.” Mas ele promete embasbacar sua plateia com o efeito ‘Beyoncé’. Os figurinos da ‘celebridade’ são inspirados na estrela, “cabelo voando e tudo”. Cada espetáculo de Paulo pretende ser único. “220 é diferente de Hiperativo, que já era diferente de Minha Mãe”, ele conta. “Minha Mãe era um solo que criei imitando os trejeitos de minha mãe. Hiperativo é uma stand-up que terminei fazendo por pressão dos amigos. Eles sempre dizem que faço stand-up na vida - no restaurante, no mercado, aonde quer que vá. E o 220 é um megashow. Comigo, são dez pessoas em cena. Só dançarinos, são seis.”

Um destaque muito especial vai para a participação de Marcus Majella. Paulo Gustavo e Fil Braz escreveram um personagem especialmente para ele. “Disse para o Marquinhos que, se ele não fizesse, o personagem caía.” E quando o repórter diz que Majella está em seu pé e, com certeza, foi fundamental para o êxito de público de Vai Que Cola - O Filme, ele não deixa por menos - “E eu quero mais que continue (no meu pé). Marquinhos é meu amigo de escola, a gente se formou, fez o 220 Volts e estamos no Vai Que Cola juntos. É uma referência de humor para mim e um amigo maravilhoso que quero levar para toda a vida.”

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX