1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

'O Palhaço e a Bailarina' é um musical dedicado ao público infantil

- Atualizado: 21 Fevereiro 2016 | 05h 00

Não se trata, porém, de um espetáculo modesto

Quando surgiu a primeira caixinha de música que traz uma bailarina dançando? Quem teve a ideia de aprisionar a pobre moça, cujos raros momentos de liberdade só acontecem quando é obrigada a dançar? Foi a partir dessa reflexão em torno de um objeto decorativo, nascida durante uma conversa informal, que os atores Kiara Sasso e Lázaro Menezes tiveram a ideia de criar um espetáculo infantil.

“Inicialmente, pensamos em algo simples, com produção modesta”, conta Kiara. “Mas, à medida em que surgiam mais ideias, a empolgação cresceu, o projeto também, até chegarmos em um musical.” O resultado de tamanho entusiasmo é o espetáculo O Palhaço e a Bailarina, que estreia na tarde do próximo sábado, dia 27, no Teatro Porto Seguro.

Não se trata, de fato, de um espetáculo modesto - para reproduzir uma caixinha de música que abriga a bailarina, Kiara e Lázaro criaram uma enorme caixa, que se abre por meio de um potente maquinário. Lá, para maravilha das crianças (e, certamente, de muitos adultos), será possível ver onde vive trancafiada a pobre coitada.

Cena. Lázaro e Kiara, no papel do casal apaixonado
Cena. Lázaro e Kiara, no papel do casal apaixonado

Kiara vive Anabel, a graciosa bailarina que, depois de sérios problemas acontecidos no circo onde trabalha, é condenada a viver dentro da caixinha de música, onde passa o dia e a noite acorrentada. Ela só aparece quando a tampa é aberta por Tombo (Marcelo Goes), o antigo administrador do circo, também um carrasco e fracassado domador de leões, que a colocou ali e a transformou na estrela de espetáculos assistidos por pequenos públicos, artimanha criada por ele para faturar algum dinheiro.

O sumiço da bailarina agitou a vida do Palhaço, vivido por Lázaro Menezes, que, em meio a apresentações em praças e ruas, busca descobrir o paradeiro de sua amada. Depois de participar de muitas peripécias, ele finalmente reencontra sua amada. “Queremos mostrar a importância da liberdade para a criança”, conta Lázaro que, além de palhaço profissional, é multi instrumentista. “Quando Anabel consegue se livrar da prisão, ela decide perdoar Tombo, que tinha ficado preso em seu lugar. Pretendemos, assim, aguçar os bons sentimentos.”

Kiara e Lázaro conseguiram realizar seu sonho musical em um tempo relativamente curto, quando hoje se avalia o tamanho da empreitada. Apesar de a ideia do espetáculo ter nascido há alguns anos, eles decidiram ir para a prática em julho do ano passado, quando rascunharam o texto, e, depois de optarem por um projeto mais arrojado, a dupla foi à luta por investimentos.

“Entramos no crowdfunding, o financiamento coletivo na internet, e logo conseguimos o primeiro objetivo, que era arrecadar R$ 20 mil”, conta Kiara, cuja carreira no teatro musical brasileiro é uma das mais bem sucedidas - protagonizou, entre outros, os espetáculos A Noviça Rebelde, A Bela e a Fera, O Fantasma da Ópera, Mamma Mia!, e Miss Saigon. “Quando a produção do Teatro Porto Seguro decidiu entrar no projeto, decidimos não frear nossas ambições.”

Cada um procura vencer seus obstáculos
Cada um procura vencer seus obstáculos

O cuidado é perceptível nos detalhes, desde o figurino colorido baseado no branco de Ligia Rocha até a cenografia de Lázaro e sua gigantesca caixinha musical, estrutura que se divide em quatro partes e que, quando aberta, revela os mimos do quarto de uma menina. 

Ele também cuidou da concepção do texto. Desde o início, a meta era mostrar a importância de se preservar a liberdade em todos seus estados. “Ao mesmo tempo, pretendi também mostrar como as pessoas podem evitar o comodismo. Aliás, essa é a filosofia do palhaço: quando ele bate a cabeça em uma porta, é um ato engraçado, mas ele está mostrando que, enquanto a indicação é seguir para um lado, ele prefere ir para o outro.”

O ator observa que seu personagem não age tanto pela inteligência, por ser mais emotivo. “Para mim, a essência do Palhaço está no ser, o palhaço é um ser, embora na história ele esteja representado como um personagem.”

Já Kiara cuidou da criação das letras das canções, marcadas por um lirismo e uma ponta de melancolia. E a melodia, além da assinatura do casal de atores, tem também a de Adrian Steinway. “Os músicos farão parte do espetáculo, com figurino próprio e, em muitas cenas, com ação ativa”, explica a atriz.

A experiência de cuidar de todas as etapas da produção revelou-se enriquecedora para Kiara. “É fascinante - ao mesmo tempo que dá um certo medo - ter o controle total da criação. Mas eu precisava passar por esse momento que, por ser demorado, me fez recusar a proposta de participar de três musicais”, confessa.

Kiara e Lázaro nem bem estrearam seu primeiro trabalho juntos e já planejam outros três projetos. “Estamos negociando os direitos autorais”, conta a atriz que, sonhadora nata, vê a possibilidade de O Palhaço e a Bailarina chegar a lugares privilegiados. “Os responsáveis pela dramaturgia dos estúdios Disney deverão assistir ao espetáculo. Quem sabe não podemos chegar à Broadway?”

O PALHAÇO E A BAILARINA

Teatro Porto Seguro

Al. Barão de Piracicaba, 740. 

Tel.: 4003-1212. Sáb. e dom. 15h. 

R$30 / R$50. Estreia 27/2. Até 15/5

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX