1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Morena Nascimento estreia espetáculo sobre o eterno ciclo de vida e morte

- Atualizado: 10 Março 2016 | 03h 00

'Antonia' fala sobre fins e recomeços

Quando começou a trabalhar no novo espetáculo, em outubro, Morena Nascimento não tinha um tema. Só havia a certeza de que queria uma dança intensa, um palco grande e muitos bailarinos. Aos poucos, a coreógrafa percebeu que os movimentos que criava convergiam em um mesmo sentido, pareciam falar sobre fins e renascimentos, sobre forças da natureza que destroem e a vida que ressurge depois do caos.

“Vi que, talvez, a gente estivesse falando sobre levar as coisas a uma intensidade tremenda para que algo novo apareça. Como se vislumbrasse uma pequena morte daquilo para chegar a outra coisa.” Assim, nasceu Antonia: Como se em Sua Dança Quisesse Reinventar o Exaustivo Ciclo do Nascer e Morrer, que estreia nesta quinta, 10, na capital. Neste mês, haverá ainda apresentações nos teatros Arthur Azevedo e Paulo Eiró.

Aos 35 anos, a mineira se destaca como um dos principais nomes da dança contemporânea. Morena estudou na Alemanha e integrou, entre 2007 e 2009, a Tanztheater Wuppertal Pina Bausch, companhia da consagrada coreógrafa alemã que morreu em 2009. A brasileira ainda se apresenta com o grupo como artista convidada – em fevereiro, ela dançou em Londres a última criação de Pina, ...Como El Musguito En La Piedra, Ay Si, Si, Si...

Intensidade. A força do feminino que está em todos
Intensidade. A força do feminino que está em todos

Morena é uma intérprete técnica e artisticamente habilidosa, mas foi por causa da possibilidade de criar trabalhos autorais que decidiu seguir carreira na dança. Começou a desenvolver seus projetos já na graduação na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Em 2005, ano em que se mudou para a Europa, ganhou o prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte. De volta ao Brasil, criou obras como os solos Claraboia (2010) e Rêverie (2013), que lotaram plateias.

Antonia é diferente dos trabalhos anteriores. Morena não dança nem divide a direção com outro artista. Em cena, estão dez bailarinos – com idades, níveis técnicos e experiências diferentes – que ela selecionou em uma audição. “Acho que é meu trabalho mais difícil”, diz. “Está sendo um processo no qual estou lidando muito com cada dia, com o acaso dos ensaios. Gosto de olhar para os bailarinos e entender a química entre eles.”

A trilha, escolhida pela artista, também é diversa. Músicas ritualísticas da África e Ásia dividem espaço com o rock do Led Zeppelin. Algumas terão intervenções ao vivo do baterista Victor Chaves (ex-integrante da banda O Terno), com quem Morena já havia trabalhado. Chaves não ficará no palco, estará atrás da plateia. A coreógrafa também repete a parceria com a atriz e dramaturga Carolina Bianchi, que assina os textos que serão citados pelos bailarinos.

Fenômeno. Foi após rever A Excêntrica Família de Antonia (1995) – filme holandês de Marleen Gorris, vencedor do Oscar de filme estrangeiro – que Morena chegou ao nome de sua obra. “Antonia, a personagem principal, contém todos esses ciclos de morte e renascimento que o trabalho traz. É essa força do feminino, que está em todos e não só nas mulheres. É essa força da natureza. Ao ver o filme, entendi que o trabalho tinha de se chamar Antonia, não como o nome de uma pessoa, mas como o nome de um fenômeno transformador, que leva a gente a um nível de intensidade para morrer e renascer, como coisas que nos acontecem o tempo inteiro.”

Morena não vê a morte como o fim. Não gosta de negar o passado; acredita que todas as experiências são transformadoras e que o vazio pode estimular criações. É o que sente em relação à morte de Pina Bausch. “A gente ainda estava no começo da nossa relação de diretora e intérprete. Ficou a sensação de incompletude. De um certo vazio. Mas isso, para os meus trabalhos de criação, é muito potente”, diz. “Acho que todos os meus trabalhos estão de alguma forma homenageando e reverenciando todas as coisas que vivi e estou vivendo.”

ANTONIA

Galeria Olido. Avenida São João, 473, República, tel. 3331-8399. 5ª a sáb., 20h; dom., 19h. Grátis (retirar ingresso 1 hora antes)

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX