EMÍLIA SILBERSTAIN/DIVULGAÇÃO
EMÍLIA SILBERSTAIN/DIVULGAÇÃO

Irmãos Guimarães voltam ao universo de Samuel Beckett

Inspirado pelo autor, coletivo de artistas de Brasília abre projeto que inclui peças, palestras e performances

Maria Eugênia de Menezes, O Estado de S. Paulo

22 Maio 2015 | 04h00

'Sozinhos juntos’ é uma expressão utilizada por Samuel Beckett em um de seus escritos. E foi nessa ideia – que combina ausência e presença – que o Coletivo Irmãos Guimarães encontrou o mote e o título para a ocupação que será aberta hoje, no Sesc Belenzinho.

É extensa e profícua a relação que os diretores Adriano e Fernando Guimarães estabeleceram com o escritor irlandês. Há ao menos 17 anos, o autor de Esperando Godot alimenta os mergulhos criativos da dupla – seja no teatro, no sentido estrito do termo, seja em artes afins, como a performance, a instalação e a videoarte. “Nos agrada lidar com uma ideia que pode ser desdobrada de diferentes maneiras”, observa Adriano. Para o atual projeto, que se estende até o dia 28 de junho, o universo beckettiano será abordado em três peças – Quadrado, Sopro e Fôlego –, além de três performances e um ciclo de palestras com especialistas, entre eles Fabio de Souza Andrade, reconhecido tradutor dos textos de Beckett. “Existe uma ligação entre cada uma das obras apresentadas. Mas, principalmente, buscamos criar uma área de diálogo mais abrangente”, crê Adriano.

Concebidos a partir de textos curtos publicados em diferentes fases da vida do dramaturgo, os espetáculos fazem ressoar essa noção de uma ‘solidão acompanhada’. “Em um momento de certeza absolutas, de discursos cada vez mais afirmativos, estamos a olhar para um autor que lida com a dúvida, com a falha”, aponta Fernando.

Diante do conjunto de performances, o público também deve receber um convite para experiências que destoam da prática contemporânea: será instado a contemplar, a perceber o outro, a substituir o excesso pelo essencial. 

SOZINHOS JUNTOS

Sesc Belenzinho. Rua Padre Adelino, 1.000, tel. 2076-9700. 6ª e sáb. 21h30; dom., 18h30. R$ 7,50/ R$ 25. De 22/5 a 28/6.

Mais conteúdo sobre:
Teatro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.