1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Esparrama leva batalha erudita de palhaços na Avenida Paulista

- Atualizado: 12 Fevereiro 2016 | 23h 56

Fechada para carros aos domingos desde o ano passado, avenida recebe '2Por4', um jogo de palhaços com a música erudita

Andar de skate, pedalar, fazer piquenique e caminhar. Desde o fim do ano passado, essa tem sido a rotina de quem frequenta a Avenida Paulista todos os domingos. Amanhã, 14, às 13h, o Grupo Esparrama leva seu espetáculo 2Por4 para dividir a calçada com todo esse público. 

A montagem apresenta um quarteto de cordas que é surpreendido por dois palhaços. As duas figuras passam a competir pelo posse da batuta e pela regência dos violinos, da viola e do violoncelo. 

Essa aparente invasão de territórios foi justamente o objetivo da companhia. “Queríamos descobrir quais os limites e possibilidades de interação entre a música erudita e os palhaços”, conta o integrante do grupo Iarlei Rangel.

Batuta. Rani Guerra e Kleber Brianez na regência
Batuta. Rani Guerra e Kleber Brianez na regência

A peça foi então construída durante encontros do Esparrama com a maestrina Ester Freire. Na sala de ensaio, o elenco testou a mistura de canções com gargalhadas, conta o ator Rani Guerra. “O palhaço costuma provocar o riso em cima do erro e do grotesco”, diz. “Isso não existe na música erudita, que é baseada na disciplina e no acerto. Os atores tiveram que conhecer esses detalhes para então brincar com eles.” O quarteto não ficou apenas na execução das canções e todos criaram cenas. “Os músicos acabaram virando atores, eles têm falas e participam”, conta Guerra.

Para Rangel, a montagem pretende desconstruir um estigma e promover a aproximação do público com o estilo musical. “Existe uma falsa ideia de que música erudita tem lugar para acontecer. Apresentar na rua não a desqualifica. Para isso, mantivemos o respeito aos arranjos e as características da música instrumental.” 

Destinada a crianças e adultos, a peça também é um convite para a descoberta dos timbres produzidos pelos instrumentos musicais. Na lista de canções, estão trechos de obras de compositores clássicos como Mozart, Beethoven e Vivaldi.

E a chance de apresentar um trabalho como esse na Paulista vem a calhar. “A avenida tem uma estrutura e rotina para os negócios. De segunda a sexta, a rua fica tomada pelo trânsito”, conta Guerra. “Isso reforçava, de alguma forma, a ideia de que a rua é só lugar de carros. Uma sensação de que é mais fácil e cômodo permanecer em casa, de que é perigoso ficar andando por aí.”

O ator afirma que a abertura da avenida pode criar um relação que é primordial para o acontecimento teatral. “Lá nós vamos encontrar negros, brancos, gays, héteros e todo tipo de gente. Pessoas que foram se encontrar e que, durante esse trajeto, vão se encontrar com o teatro e com seus artistas”, ressalta. “Por isso, é muito mais que emblemático levar nossa peça para a avenida mais importante da cidade”, completa Iarlei Rangel.

A experiência de apostar em espaços não convencionais como ruas e casas faz parte das criações do Esparrama. Apesar de ser criado para o palco, as recentes apresentações de 4Por2 foram em quadras esportivas e praças. “A peça acabou ganhando uma certa maleabilidade. Conseguimos adaptá-la para outros espaços”, explica Rangel. Outro espetáculo da companhia, Esparrama pela Janela aproveita a estrutura do Elevado Costa e Silva, o Minhocão, habitualmente fechado para automóveis de segunda a sábado à noite, e domingos e feriados o dia todo. 

Na peça, o público pode acompanhar do viaduto o espetáculo que é realizado nas janelas do edifício São Benedito. Por meio de cenas curtas, conta-se a história de um morador que, mergulhado em tanta poluição e sufocado pelo barulho do dia a dia, aposta em formas criativas para fugir do caos da cidade. As apresentações retornam nos domingos de março às 16h, entre a alça de acesso do Metro Santa Cecília e da Rua da Consolação, na altura do número 158 da rua Amaral Gurgel. 

2POR4. Calçada do prédio da Fiesp/Sesi. Avenida Paulista, 1.313, tel. 3528-2000.Domingo, 14, às 13h. Grátis.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX