Arquivo Jocy de Oliveira
Arquivo Jocy de Oliveira

Depoimento: 'Gianni Ratto era um homem que buscava a perfeição em si'

'Ele foi um condutor obsessivo, exigente, disciplinado e que nos preparava física e intelectualmente em ensaios de 10, 12 horas por dia'

Fernanda Montenegro, O Estado de S.Paulo

07 Fevereiro 2017 | 03h00

Fernando Torres e eu convivemos com Gianni Ratto a partir de 1954, na companhia Maria Della Costa. Um homem que tinha optado por estar no Brasil, e que tinha deixado um legado de alta qualidade artística na Itália.

Foi nesse momento que encaramos um intelectual, um artista pleno, um mestre. Ele sempre dizia que não haveria teatro brasileiro sem autor brasileiro. Sua adesão total à nossa cultura impulsionou a criação aqui. 

Quando fundamos o Teatro dos Sete, buscamos empréstimos e nos endividamos. O jeito foi ir também para televisão para viabilizar os projetos no palco. A companhia ia começar com O Beijo No Asfalto, mas Nelson Rodrigues ainda não havia finalizado o texto.

A estreia aconteceu meses antes da renúncia de Jânio Quadros, o que colocaria o País e seus artistas em um difícil modo de sobrevivência.

LEIA MAIS: Cenografia e figurinos de Gianni Ratto ganham mostra com obras inéditas

Gianni foi um condutor obsessivo, exigente, disciplinado e que nos preparava física e intelectualmente em ensaios de 10, 12 horas por dia. Se hoje tenho alguma bagagem como intérprete, sem ele não haveria nada.

Seu compromisso não era facilitar a caminhada de ninguém. Muito tempo depois nos encontramos e ele brincou: ‘Hoje eu não sou tão ditador como era antes’.

Gianni era homem que buscava exaustivamente a perfeição dentro dele mesmo. Uma pena que não deixou nenhum substituto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.