Chega a SP nova versão de 'A Noviça Rebelde', luxuoso musical que valoriza a força feminina

Espetáculo balanceia com graça, conformismo e resistência

Ubiratan Brasil - O Estado de S.Paulo

A famosa e verdadeira história da religiosa que conquistou o coração de um capitão viúvo, pai de sete filhos, ganha uma nova e sofisticada versão em um palco paulistano. Um dos mais queridos musicais de todos os tempos, A Noviça Rebelde estreia no Teatro Renault, no dia 28, com o requinte que conquista a Broadway desde sua primeira versão, de 1959. Imortalizada no cinema pelo filme estrelado por Julie Andrews, a história é novamente contada pelos diretores Cláudio Botelho e Charles Möeller, agora com produção do Atelier de Cultura em parceria com a M&B. “Nossa primeira montagem da Noviça aconteceu em 2008 e, nesses dez anos, aprimoramos nossa forma de fazer musicais”, conta Botelho. “O que continuam intactas, porém, são a música de Richard Rodgers e letra de Oscar Hammerstein II, perfeitas ao ajudar a dramaturgia.”

Amor e música. Maria e as sete crianças Von Trapp: nazismo à espreita Foto: Daniel Teixeira/Estadão

+++ 'A Noviça Rebelde' ganha nova produção

De fato, canções como The Sound of Music, Do-Re-Mi, My Favorite Things e So Long, Farewell não travam a condução da trama - ao contrário, mostram como os personagens se modificam. “Eles iniciam a música com um estado de espírito e terminam com outro, que altera o curso da história”, continua Botelho, autor da versão nacional. Basta observar O Que É Que a Gente Faz?, em que a baronesa Elsa Schraeder (Alessandra Verney) não esconde o seu egoísmo, o que convence o Capitão Von Trapp (Gabriel Braga Nunes) a desistir de se casar com ela.

+++ Larissa Manoela estrela 'A Noviça Rebelde'

A saga dos Von Trapp começou na Áustria, em 1920, quando a noviça Maria (Malu Rodrigues) foi trabalhar como governanta de sete crianças na casa do viúvo barão George Von Trapp. Ambos se apaixonaram, casaram-se e tiveram mais três filhos. Em 1938, quando Hitler anexou a Áustria, a família resolveu fugir para a América e viver da música. “O mais interessante é observar como a história está ainda mais atual e que os valores passados pela Noviça, como lealdade, verdade e bondade, são mais necessários do que nunca. Maria Von Trapp é uma das mulheres mais empoderadas de seu tempo. Ela consegue, sempre com amor e música, amolecer corações e enfrentar inimigos tão desumanos embrutecidos pelo nazismo ascendente da época”, observa Charles Möeller.

+++ Musical 'A Noviça Rebelde' volta aos palcos brasileiros

Se, na essência, o musical continua o mesmo, a nova produção ganhou contornos especiais. Para a cenografia, foi convidado o inglês David Harris, um dos responsáveis por projetos cênicos de espetáculos como Les Misérables. “Ele domina os elementos da Broadway e prepara um cenário repaginado, com efeitos de luz”, explica Cleto Baccic, ator que também preside o Atelier de Cultura. Já os figurinos serão do também inglês Simon Wells. “O objetivo é montar uma superprodução.”

+++ Atriz do elenco do filme 'A Noviça Rebelde' morre aos 68 anos

O aparato tecnológico é uma das grandes atrações de A Noviça Rebelde, musical cuja produção gira em torno de R$ 10 milhões, com recursos incentivados. Mas seu grande trunfo está no elenco. A começar por Malu Rodrigues, estrela cada vez mais brilhante do musical brasileiro. Ela vive Maria, a religiosa que muda a própria vida ao ingressar na família do capitão viúvo e seus sete filhos. “Malu amadureceu e, se continua com a mesma voz potente e bela, ganhou recursos dramatúrgicos”, comenta o diretor Charles Möeller, que dirigiu a atriz em sua estreia, há dez anos, também em A Noviça Rebelde - na época, Malu interpretou uma das filhas, Louisa.

“O desafio agora, claro, é bem maior”, conta Malu, sobre seu 13.º trabalho sob o comando de Möeller e Claudio Botelho. “Maria tem uma impostação de voz muito refinada - para o canto, seria uma atleta de elite da voz. E, como interpreto muitas músicas (ao todo, oito), a exigência é grande.” Aos 24 anos, ela tem a idade aproximada da personagem e um temperamento semelhante. “Maria é moleca como eu, não fica parada e sempre faz barulho quando anda”, diverte-se.

Novos desafios também são enfrentados por Larissa Manoela, a intérprete da filha mais velha da família Trapp, Liesl. Assim como Malu, Larissa também participou da primeira montagem de A Noviça Rebelde - então com 8 anos, viveu a caçulinha Gretl. “Não tinha nenhuma experiência no teatro, pois só tinha feito propaganda e TV”, conta ela, hoje renomada estrela de telenovelas como Carrossel (foi a famosa Maria Eduarda) e filmes (Fala Sério, Mãe!). “Tudo era uma surpresa.”

Com mais vivência, Larissa exibe seu talento agora em números arrojados, como na deliciosa canção Sixteen Going on Seventeen, quando Liesl se encontra escondido com o namorado Rolf (Diego Montez). A letra serve para a menina comprovar sua maioridade, uma vez que está com quase 17 anos. Em um determinado momento, o rapaz afirma que ela ainda é inexperiente e necessita ser conduzida. Mas Liesl prova o contrário, assumindo-se adulta e renegando o namorado, quando ele se deixa seduzir pelo nazismo. “É uma atitude definitiva para sua maioridade”, conta Larissa que, como todo o elenco, acompanha a preparação de Gabriel Braga Nunes em sua estreia em musical.

Aos 45 anos, o ator trabalha meticulosamente em sua criação do Capitão Georg Von Trapp. “É um personagem muito rico, pois muda radicalmente de atitude: de disciplinador dos filhos ao homem que se rende à música e ao amor, mas sem se contaminar pelo nazismo”, conta Gabriel, que tem apenas uma experiência em musical, no longínquo ano de 1990, quando participou de Calígula, de Djalma Limongi Batista. “Mas hoje a realidade é bem diferente e os atores estão muito mais bem preparados, enquanto me sinto um iniciante.”

Aplicado, Gabriel pede para passar repetidamente as cenas com os colegas e sabe que terá um grande número, com a canção Edelweis. “É quase o hino austríaco”, explica Charles Möeller. “Edelweis é uma flor que nasce na neve, quando nenhuma outra consegue florir. Tornou-se um exemplo de resistência, especialmente durante a guerra.”

“Na verdade, trata-se de um musical muito forte”, observa Marcelo Serrado, intérprete de Tio Max. “A trama começa leve até mudar a tonalidade e ficar pesada, com a guerra. E as canções são muito fortes, muitas estão fixadas em nossa memória.” Seu papel é aparentemente pequeno, mas importante - ao lado da Baronesa Von Schrader (Alessandra Verney), Max forma um contraponto entre o conformismo e a resistência, convenções sociais e o amor. Um detalhe que torna o musical ainda mais soberbo.

HÁ DEZ ANOS

LARISSA

Aos 8 anos, a pequena atriz estreou no teatro como Gretl, a caçula da família Trapp. Em seguida, participou de outras montagens de Möeller e Botelho, como Gypsy.

MALU

No papel de Louisa, a atriz também estreou a carreira no musical. Foi o primeiro dos 13 trabalhos realizados em seguida com Möeller e Botelho, em clássicos como O Mágico de Oz. 

A NOVIÇA REBELDE

Teatro Renault. Av. Brig. Luis Antonio, 411. Tel.: 4003-5588. 4ª à 6ª, 21h. Sáb., 16h e 21h. Dom., 15h e 20h. R$ 75 / R$ 310. Até 27/5

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato