1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Cenas de um espetáculo chamado São Paulo

- Atualizado: 16 Fevereiro 2016 | 09h 47

Teatros independentes realizam mostra de trabalhos sobre a cidade

Quantos teatros existem na cidade? Qual o tamanho, infraestrutura e programação de cada um? No ano passado, a Cartografia dos Teatros de São Paulo respondeu a essas e outras perguntas com o objetivo de fazer um perfil dos espaços teatrais presentes na capital. O responsável pela ação foi o Movimento de Teatros Independentes de São Paulo, o Motin, que a partir de então pôde visualizar problemas como a quantidade de espaços regulamentados e potenciais como a recente conquista da lei de isenção de IPTU para casas teatrais. “Foi uma medida importante para avançar na regulação desses espaços”, aponta o fundador do Motin Celso Frateschi.

Depois de olhar nesse espelho, o Motin agora quer manter diálogo com o principal integrante de um espetáculo: o público. Com abertura nesta segunda, 15, no Galpão do Folias, o 1º Curto-Circuito dos Teatros Independentes realiza uma circulação de companhias por toda a cidade. “Depois do carnaval, será o projeto abre-alas do Motin”, explica Pedro Granato, um dos idealizadores do movimento.

Ao todo são mais de 20 companhias que irão se apresentar em nove espaços teatrais. “A sensação é de que a cidade ainda não tem dimensão das companhias que existem. Você pode ser vizinho de um grupo e não saber”.

Vizinhos.Mostra aproxima teatro e público
Vizinhos.Mostra aproxima teatro e público

Na prática, a cada noite, cinco grupos fazem cenas de 10 minutos no local estipulado. Nos próximos dias, a mostra circulará entre o Refinaria Teatral, na zona norte, o Sankofa, na zona leste, e o Encena, na zona sul. “Queremos fazer esse intercâmbio de companhias de outras regiões com as do centro. É começar a enxergar o teatro como uma rede”, conta Granato. Somando as cenas curtas e os intervalos entre uma e outra, cada noite terá 70 minutos de programação, tempo médio de um espetáculo comum.

Para trazer certa unidade à mostra, o Motin sugeriu que as cenas tivessem um tema. E nada mais acertado que falar sobre a própria cidade. Granato afirma que, com tantas e diferentes companhias participando, seria interessante observar como cada uma expressa questões relativas a São Paulo. “Será possível enxergar uma certa assinatura de cada grupo. Falar da cidade nessa primeira mostra é de fato um manifesto.” Para Frateschi, o Curto Circuito também firma-se “como uma ação artística de militância política na em defesa de espaços independentes com utilização pública”.

A mostra também servirá para aquecer os motores de ações projetadas para 2016. Uma delas será, enfim, a Escola de Espectadores. Criada pelo crítico e historiador argentino Jorge Dubatti, o projeto funciona como uma ação pedagógica a fim de aproximar o público dos processos de criação de uma peça – em Buenos Aires a escola conta com mais de 400 alunos, e mantém uma lista de espera. “O objetivo é fornecer informações para que o público pense criticamente sobre uma obra”, explica. Frateschi conversou com Dubatti em dezembro do ano passado durante a 2ª Bienal Internacional de Teatro da Universidade de São Paulo. “Muitos blogs sobre teatro surgiram dessa forma na Argentina”, lembra Granato.

A experiência tem sido replicada em países como Uruguai, México, Chile. No Brasil, Porto Alegre já faz uso do modelo desde 2013 e Belo Horizonte fez uma experiência em 2011. “Os teatros independentes têm essa função vocacional”, completa Frateschi. E como se trata de uma escola, a primeira lição é assistir ao espetáculo em questão. Depois, encontros são marcados com artistas e pensadores da área a fim de discutirem a obra, contextualizar a criação da companhia e ensinar fundamentos das artes cênicas. Frateschi crê que o processo de formação de público interfere diretamente na qualidade dos espetáculos. “Um público crítico certamente trará provocações aos artistas. E estes precisam responder com criações potentes.”

Esse reenlace entre teatro e público ainda pode renovar um outro tipo de relação – a bilheteria – que, segundo Frateschi, o teatro deixou de lado. “A bilheteria não é mais batalhada. Sempre houve a ideia de que um espetáculo não se sustenta mais, entretanto, não se faz nada para mudar.”

Ele ressalta que se a bilheteria não basta, apenas fazer o espetáculo também não. “Por muito tempo perdemos a noção se estamos agradando ou não. Precisamos recriar uma relação afetiva com o plateia e pensar neles criativamente.”

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX