1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Peça aborda as figuras do policial e do black bloc

Daniel Schenker - ESPECIAL PARA O ESTADO

18 Junho 2014 | 02h 00

'Entrevista com Vândalo' é dirigida por Marcus Vinícius Faustini

RIO - A cidade desponta como protagonista de Entrevista com Vândalo - mais exatamente, o Rio de Janeiro tomado por manifestações desde junho de 2013. A necessidade de falar sobre o aqui/agora é partilhada pelo diretor Marcus Vinícius Faustini e pelo antropólogo, cientista político e escritor Luiz Eduardo Soares. A conexão com a atualidade, inclusive, fez com que os dois ocupassem cargos importantes: Soares foi Secretário de Segurança Pública durante o governo de Anthony Garotinho e Faustini, Secretário de Cultura de Nova Iguaçu na gestão de Lindberg Farias. O resultado do encontro artístico entre os dois poderá ser conferido a partir de hoje, no Espaço Cultural Municipal Sergio Porto, no Rio.

Ambos vinham ensaiando uma parceria. "Começamos a pensar num projeto juntos depois que eu assisti a Confronto. Até que as manifestações vieram", destaca Faustini, citando a peça escrita por Soares e Marcia Zanelatto e dirigida por Domingos Oliveira. Em Entrevista com Vândalo, Soares prioriza figuras localizadas em lados opostos do conflito: o policial e o black bloc. Apesar de serem constantemente mencionadas, segundo Faustini ainda há muito a dizer sobre elas. "Soares aborda o policial e o black bloc com humanidade", diz o diretor. 

Houve, portanto, uma preocupação em não retratá-los de modo maniqueísta. "A caricatura é tão evidente quando os personagens ocupam posições extremadas que fica mais fácil explicitá-la e desconstruí-la. Talvez seja mais perigoso lidar com personagens menos delineados porque podem dar ao autor, ao diretor e aos atores a falsa impressão de que são matizados e complexos, quando somente representam o clichê de matizes e complexidades", sublinha Soares.

Faustini também tomou cuidado para não conduzir um espetáculo panfletário. Assume que não possui uma visão fechada em relação aos conflitos que vêm mobilizando o país. "Estamos diante da classe média ampliada, que se refere a quem tem voz e não apenas bem estar. Essa classe faz exigências, mas não traz propriamente um projeto. De qualquer maneira, existe um desejo de participação que ainda não sabemos ler. Eu sou otimista. Não acho que a situação seja de caos", opina Faustini.

Marcos de Paula/Estadão
Soares. Triângulo amoroso em meio às manifestações

Soares entrelaça diferentes planos em Entrevista com Vândalo, peça centrada na determinação de uma escritora (Valquíria Oliveira) em conceber um texto sobre as manifestações de agora. Para tanto, ela se aproxima de um policial (Márcio Vito) e de um black bloc (Ian Capillé). Coloca-os em cena e, ao mesmo tempo, passa a viver um triângulo amoroso com eles. Para o autor, o maior desafio não foi criar no calor do momento. "Todo texto dramatúrgico é único, difícil e desafiador porque deve alcançar autonomia diante dos fenômenos com os quais dialoga. Não importa se os acontecimentos mobilizadores são ou não próximos. Autonomia é sinônimo de força e singularidade da linguagem cênica. Só depois de conquistada se logra voltar aos fenômenos, iluminando dimensões que a experiência cotidiana, com seus automatismos, ignora ou naturaliza", afirma Soares.

Tempo. Tanto para Faustini quanto para Soares, Entrevista com Vândalo surge como um trabalho fincado no presente, mas atravessado por ganhos decorrentes da passagem do tempo. No caso de Faustini, marca o seu retorno à direção de espetáculos após um hiato de cerca de dez anos. Já Soares escreve norteado por uma perspectiva histórica. "Sou filho de 1968. Minhas bandeiras são libertárias, mas não tenho mais idade para ser ingênuo. Acredito que a realidade da vida coletiva, sobretudo em escala global, não se resume à contradição entre capital e trabalho, nem será superada pela dialética redentora. Os direitos humanos são o horizonte de minha prática política, estética e intelectual. A luta pelo paraíso social na terra não justifica o desrespeito a um indivíduo. Se o ser humano é fim, não meio, qualquer sonho de mudança política tem de comprometer-se com a qualidade moral do método e realizar, aqui e agora, o princípio projetado nas utopias", explica. Faustini e Soares já têm um novo projeto em vista: a transposição para o palco de Tudo ou Nada, livro de Soares adaptado pelo próprio autor.

ENTREVISTA COM VÂNDALO

Espaço Cultural Municipal Sergio Porto. Rua Humaitá, 163 (fundos), Rio, (21) 2535-3846. 4ª e 5ª, às 20 h. R$ 10 e R$ 5. Até 10/7.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo