Trilha sonora de filme de Sean Penn traz Eddie Vedder solo

É o primeiro trabalho solo do vocalista da banda Pearl Jam. O filme é baseado em uma história real

Emerson Lopes,

22 Outubro 2007 | 03h17

Quando o Pearl Jam apareceu no início da década de 90, ao lado de Nirvana, Alice in Chains e Soundgarden, o mundo do rock foi tomado por um bando de moleques cabeludos de uma distante cidade chamada Seattle, nos Estados Unidos. Nascia então o que foi rotulado de movimento grunge.   Quase duas décadas se passaram e o Pearl Jam é um dos poucos grupos daquela época que continua na ativa. Apesar de nos últimos anos ter lançado discos menos populares, a banda mantém a qualidade em tudo o que faz e com isso tem garantido sua longevidade.   O último disco do Pearl Jam saiu em 2006 e desde então os fãs continuam na expectativa de um novo trabalho. Mas se tratando da banda de Seattle é melhor esperar sentado. Enquanto isto não acontece, é possível se contentar com o primeiro disco solo do vocalista Eddie Vedder, Into The Wild, trilha sonora do filme dirigido pelo ator Sean Penn.   O filme é baseado no livro de Jon Krakauer, Na Naturza Selvagem, que conta a história real de Chris McCandless, um jovem de família próspera que, depois de se formar, abandona a casa dos pais, muda seu nome para Alexander Supertramp e segue rumo ao Alasca, para viver junto à natureza.   Com um enredo deste em mãos, Vedder acabou criando uma trilha sonora introspectiva e baseada em instrumentos acústicos. Para os fãs do Pearl Jam, o disco pode soar estranho, já que as guitarras estão em falta por aqui. Mas para quem tiver a cabeça aberta, Into The Wild é um daqueles presentes de Natal que você lembrará por muitos anos.   Com o violão em punho, Vedder mostra aqui o seu lado folk e deixa claro a influência que músicos como Neil Young, Bob Dylan e Bruce Springsteen tiveram em sua formação musical. Basta escutar "Rise", "Society", "Long Nights" e "Guaranteed" para perceber a profundidade das melodias criadas por Vedder e constatar que sua voz está muito além do que é possível encontrar nos discos do Pearl Jam.   O lado mais roqueiro aparece em "Setting Forth", "Far Behind", além de "Hard Sun", tema do filme e uma das poucas músicas não compostas pelo vocalista. O disco ainda traz duas canções instrumentais, "Tuolumne", com um bonito dedilhado de violão, e "The Wolf", com Vedder dando uma de lobo e acompanhado apenas por um órgão.   Com pouco mais de meia hora de duração, a trilha deve funcionar bem para o propósito a que foi criada, ou seja, acompanhar a jornada de um jovem à procura de si mesmo e do real sentido da vida. Quanto a Eddie Vedder, o disco comprova que além de ser um dos músicos mais influentes de sua geração, ele está mais do que pronto para encarar novos desafios e percorrer uma nova estrada.

Mais conteúdo sobre:
vedder penn trilha solo pearl

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.