FRANCK ROBICHON
FRANCK ROBICHON

Spotify e Universal assinam acordo para antecipar álbuns a assinantes premium

Artistas poderão escolher se querem lançar novos álbuns para assinantes por duas semanas antes de liberar para todos os usuários

EFE

05 Abril 2017 | 10h32

Correções: 06/04/2017 | 11h35

A plataforma de streaming Spotify e o Universal Music Group (UMG) assinaram nesta terça-feira um acordo que permite ao gigante fonográfico disponibilizar lançamentos exclusivamente para usuários premium.

Ambas as empresas anunciaram em comunicado que, a partir de agora, os artistas da Universal poderão escolher antecipar álbuns durante duas semanas para os assinantes premium do Spotify.

Este serviço se somará a outras vantagens da assinatura premium da plataforma, como evitar anúncios, pular músicas, utilizar o programa sem a necessidade de conexão com a internet e reproduzir qualquer faixa.

Este acordo significa que os usuários gratuitos

Segundo os termos do acordo, ambas as empresas impulsionarão a parceria para assegurar que o streaming alcançará todo o seu potencial transformador para artistas, gravadoras e fãs", dando mais flexibilidade aos novos lançamentos e colaborando em campanhas de marketing "inovadoras" no Spotify.

O presidente e diretor-executivo do Spotify, Daniel Ek, garantiu que a aliança se baseia no "mútuo amor pela música".

"Continuaremos trabalhando juntos para ajudar novos artistas a despontarem, assim como para conectá-los, junto aos mais consolidados, com um universo cada vez maior de fãs de formas que assombrarão a ambos. Somos conscientes que nem todos os álbuns de todos os artistas devem ser lançados de forma idêntica, e trabalhamos duro com UMG para desenvolver uma nova e flexível política de lançamentos", acrescentou.

O presidente e diretor-executivo do Universal Music Group, Sir Lucian Grainge, disse que a reprodução em streaming representa a maior parte de seu negócio desde que há oito anos começou a trabalhar com serviços digitais como Spotify, que proporcionaram à indústria o "primeiro crescimento real" em quase duas décadas.

"Nosso desafio é transformar esse aumento em um crescimento sustentável. Em um mercado de dinamismo semelhante, que evolui mais rápido do que nunca. O sucesso precisa de uma valorização criativa e contínua sobre como aproximar a música dos artistas aos fãs. O único permanente deve ser a boa música e uma compensação justa para artistas e criadores", explicou.

O acordo também permitirá ao UMG um maior acesso a dados para, segundo o comunicado, "estabelecer as bases para o desenvolvimento de novas ferramentas para artistas e gravadoras para ampliar, conectar e construir relações mais profundas com os fãs".

Correções
06/04/2017 | 11h35

A linha fina da matéria tinha uma informação incorreta. O correto é que os artistas poderão escolher se o lançamento será apenas para assinantes premium.

Mais conteúdo sobre:
Spotify

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.