REUTERS/Kai Pfaffenbach
REUTERS/Kai Pfaffenbach

Spice Girls podem se reunir para lançar um novo álbum em 2018

Segundo o britânico 'The Sun', as cinco integrantes estariam dispostas a se reunir mais uma vez

O Estado de S.Paulo

13 Novembro 2017 | 11h53

Depois de cinco anos, a girlband britânica Spice Girls pode voltar a se reunir - desta vez para gravar e lançar um novo álbum e ainda produzir um especial de TV sobre o grupo. 

A informação vem do tabloide britânico The Sun. De acordo com a publicação, as cinco integrantes estão conversando secretamente já há alguns meses ajustando o retorno, com um grande empenho de Melanie C. A maior dificuldade seria conciliar a agenda de todas. 

A notícia do retorno das cinco integrantes é uma surpresa, já que, em 2015, Geri Hallywell, Emma Bunton e Melanie Brown tentaram voltar com o grupo em formação completa, mas sem sucesso. Na época, elas cogitaram criar um grupo à parte, Spice Girls GEM, mas a ideia não foi bem recebida por Melanie C, que estava prestes a lançar um álbum solo. "Ano passado foi difícil, porque Melanie, Emma e Geri queriam continuar, mas Victoria e eu não queríamos nada naquele momento", explicou Mel C, em junho, ao Estado. Na época, a cantora já havia dado indícios de que queria uma reunião. "Não temos nenhum plano no momento, mas, se as outras quatro garotas disserem sim, eu vou aceitar."

Ainda segundo o The Sun, até mesmo Victoria Beckham, que sempre foi integrante que mais rejeitou a ideia, topou se reunir desta vez. Uma fonte teria dito que as situações na vida pessoal de algumas integrantes foi o que motivou a volta, como o nascimento do filho de Geri e o difícil divócio enfrentado por Mel B. 

Nada, porém, foi falado sobre uma possível turnê do grupo, eternizado pelo sucesso Wannabe. A última vez que Emma, Geri, Mel B, Mel C e Victoria se apresentaram juntas foi em 2012, no encerramento dos Jogos Olímpicos de Londres. Já o último lançamento musical foi em 2009, quando lançaram uma coletânea, com uma música inédita, e saíram em turnê pela Europa. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.