Frederico Rozario/Estadão
Frederico Rozario/Estadão

Soul bossa nova

Brasileiros criam arranjos para clássicos de jazz e soul dos anos 60

Julio Maria, O Estado de S.Paulo

11 Abril 2014 | 02h10

Aretha Franklin estava mais preocupada em exorcizar os demônios de Memphis que apareciam nos cultos do pai, o reverendo C. L. Franklin, do que ouvir bossa nova em 1959, quando João Gilberto saiu da Bahia para cortar a faixa inaugural de um gênero cantando Chega de Saudade. Andy Williams também tinha seus afazeres. Já havia deixado de cantar nos cultos da Igreja Presbiteriana para iniciar uma escalada de cantor pop que, nos anos 60, só o faria menor do que Elvis Presley e Frank Sinatra. Marvin Gaye também cuidava de seu rebanho. Cantava para as preces do pai, o 'ministro de Deus' Marvin Gay Sr Of Kentucky, o mesmo que mataria o filho em 1984 com um tiro de calibre 12. E Billie Holiday morria. Depois de transpirar álcool e heroína no quarto de um hospital vigiado por policiais prontos para prendê-la por porte de drogas, a maior cantora de jazz de todo o sempre partia no ano em que começava a festa dos banquinhos e violões.

Fevereiro de 2013. Rio de Janeiro. Uma ilhota do Recreio na qual só se chega de barco. Sentado à mesa de som de seu estúdio, Roberto Menescal, 76 anos, ouve a voz de Aretha Franklin cantando Walk on By. Só a voz. Os instrumentos originais foram retirados. A música lançada em 1964 soa na sala de gravação para que músicos brasileiros façam um novo acompanhamento seguindo as partituras escritas pelo violonista. "Eu gostava tanto desta canção e, de repente, ela está aqui", diz ele, violonista e produtor, um dos homens que desenharam a bossa nova a partir de 1959. Walk on By, sucesso de Aretha, está pronta para sair do Recreio com um sutil sotaque carioca. Vai voar pelo mundo em poucos dias.

O projeto Studio Rio Presents é uma ideia de dois produtores alemães que começa a vingar. Os irmãos Frank e Christian Berman estão trazendo para produtores e músicos brasileiros um respeitável cancioneiro que, acreditam, pode ganhar arranjos novos. Além de Aretha Franklin, já estão liberadas para os brasileiros músicas de Marvin Gaye, Nina Simone e Billie Holiday. Marcos Valle também já tem sua missão concluída. É dele a nova roupa do clássico dos anos 60 Music to Watch Girls By, gravada por Andy Williams em 1967. As duas faixas foram cedidas com exclusividade ao Estado e estão disponíveis no site do Estadão.

"Eu e meu irmão trabalhamos neste projeto há muito tempo. Foram anos para conseguir todos os direitos para o uso dos vocais dos artistas norte-americanos", diz Frank Berman. Sobre a escolha de Valle e Menescal, diz: "Eles são dois de nossos maiores ídolos, conhecemos muitas de suas gravações incríveis". Depois de definirem o restante do repertório, farão o lançamento de um disco físico pela gravadora Sony em mais de 30 países. As faixas, segundo as previsões de Frank, serão vendidas pelo iTunes e pela Amazon a partir do início de junho. As faixas serão mixadas por Jerry Boys, seis vezes vencedor do Grammy na categoria técnica melhor mixagem.

Os irmãos Berman querem ir mais longe. "Estamos planejando uma turnê com os músicos que participaram do projeto, prevemos concertos em Londres, Nova York, Amsterdã e Berlim", diz Frank. E como fazer com os artistas que já partiram para uma melhor, como Marvin Gaye, Billie Holiday e Andy Williams? "Os concertos serão uma combinação de músicos brasileiros no palco com a exibição de filmes em um telão e o áudio das performances vocais originais", diz o produtor. Ele não revela quais são os outros produtores escolhidos nem as outras músicas selecionadas por estes produtores, mas uma lista enviada por Frank, com os nomes dos músicos envolvidos com os novos arranjos, é grande e tem peso: os bateristas Paulo Braga e Jurim Moreira; os pianistas Paulo Calasans e Rafael Vernet; os baixistas Sergio Barrozo e Jorge Helder; os trompetistas Jessé Sadoc e José Arimatéa; e o guitarrista Torcuato Mariano, entre outros.

Marcos Valle valorizou a divisão rítmica da gravação original da canção de Andy Williams, algo que facilitou a entrada de uma percussão brasileira. Em alguns momentos, deixou o piano original ser acompanhado por seu teclado. Os alemães piraram com o que ouviram. "Eles disseram que queriam que fizéssemos outros trabalhos depois de ouvirem o resultado destas duas canções", diz Valle. Depois de receberem o áudio finalizado de Menescal para a música de Aretha Franklin, os produtores mandaram o resultado para a Rainha do Soul. "Aretha e sua equipe adoraram o que ouviram", diz Frank Berman.

O alemão diz que o foco desde o início do projeto era a bossa nova, não a música norte-americana dos anos 60 e 70. "Nosso plano era trazer de volta a bela música da época da bossa nova, mas com uma nova abordagem. Temos uma enorme coleção de discos que encontramos em mercados de pulgas em Amsterdã, Paris e Londres. Para nós, Marcos Valle e Roberto Menescal são dos mais influentes artistas de seu país."

Frank mostra conhecimento de pesquisador. "Ambos têm uma longa carreira e um grande impacto na cena brasileira." Colocar as mãos em Marvin Gaye ou Aretha Franklin é mais complicado do que criar uma nova composição. Um erro, uma fagulha de mau gosto, e a crítica amplificada nas redes sociais acende a fogueira. Até agora, pelo que se pode ouvir dos primeiros resultados, o jogo está 2 a 0 para os brasileiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.