1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Shows gratuitos pelo País vão reunir Os Paralamas do Sucesso, Nando Reis e Paula Toller

- Atualizado: 16 Março 2016 | 19h 30

Apresentações terão repertório recheado de grandes sucessos

RIO - Depois de Elis Regina, Tom Jobim, Tim Maia e o centenário do samba, o rock brasileiro está sendo reverenciado na nova edição do projeto Nivea Viva. Dos roquinhos de Celly Campello (1942-2003) à cena atual, sete shows gratuitos patrocinados pela indústria de produtos para a pele serão realizados em Porto Alegre (dia 3/4), Rio (10/4), Recife (30/4), Fortaleza (15/5), Salvador (22/5), Brasília (5/6) e São Paulo (26/6), com repertório só de lados ‘A’ capaz de agradar até mesmo a quem não tem carteirinha de roqueiro.

No centro do palco, Os Paralamas do Sucesso, Nando Reis e Paula Toller, da geração do BRock nascido na década de 1980, e Pitty, ícone do que se fez dos anos 2000 para cá, acompanhados de uma banda formada por Dado Villa-Lobos (guitarrista da Legião Urbana), Maurício Barros (tecladista do Barão Vermelho), Milton Guedes (gaitista e saxofonista), Liminha (baixista dos Mutantes e produtor de boa parte da música brasileira) e Rodrigo Suricato (voz e guitarra da banda Suricato). O lançamento foi terça-feira, dia 15, no Vivo Rio.

O repertório, em ordem cronológica, tem sucessos de todos os artistas e bandas de pop rock mais expressivas dos últimos 60 anos, do medley Banho de lua/É proibido fumar/Pode vir quente que eu estou fervendo/Quero que vá tudo pro inferno a hits de Pitty (Me adora), Los Hermanos (Anna Julia) e Suricato (Talvez), com ênfase nos Paralamas (Óculos, Meu erro), Titãs (Sonífera Ilha, Marvin), Legião Urbana (Tempo perdido, Será e Monte Castelo), e, menos, ao Barão Vermelho (Pro dia nascer feliz), Ultraje a rigor (Ciúme), Blitz (A dois passos do paraíso) e Kid Abelha (Como eu quero).

Destaques. Pitty, Nando Reis, Paula Toller e Herbert Vianna
Destaques. Pitty, Nando Reis, Paula Toller e Herbert Vianna

Os números homenageiam ainda a Jovem Guarda e artistas seminais, como Raul Seixas, Rita Lee, Renato Russo, Cazuza e Cássia Eller, com imagens mostradas em projeções, e fazem referência à Tropicália, RPM, Capital Inicial, Marina Lima, Skank, O Rappa, Nação Zumbi, Charlie Brown Jr, Raimundos, Jota Quest e Lulu Santos. No show de terça, foram entremeados por falas confessionais: “O que a gente está contando é a história das nossas vidas”, disse Dado Villa-Lobos, que atualizou a letra de Tempo Perdido: aos 50 anos, cantou “fomos tão jovens”.

“Foi nadando nesse caldeirão que eu, como muitos da minha idade, dentro de um Brasil muito confuso, talvez tanto quanto o de hoje, encontrei a possibilidade de ter uma voz”, contou Nando Reis. “Não foi em São Paulo, no Rio, no Sul, em Brasília, foi em todo o Brasil. Não gosto de colocar o rock como algo segmentado em Estados, nem à margem da Música Popular Brasileira. Sempre acreditei que a MPB era a música feita e tornada popular no Brasil.” Rodrigo Suricato estava emocionado: “Eu me sinto como se tivesse sido contratado pelo Barcelona. Achava que esses caras eram inatingíveis, e agora estou aqui fazendo um som com eles”.

A direção-geral é de Monique Gardenberg e a direção musical de Liminha, que manteve muitas músicas com a cara original, para não desagradar ao público. Os convidados da Nivea viveram momentos de karaokê em músicas como Marvin, Meu erro, Olhar 43, Vou deixar e Do seu lado. Foram 2h30 de bailão de pop rock. “É uma alegria acima das palavras”, classificou Herbert Vianna. “Música não é exatamente matéria, é o que fica no ar”, definiu Nando, antes do bis, com É preciso saber viver e Agora só falta você.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX