Valerie Macon/AFP
Valerie Macon/AFP

Ringo Starr: "Vou continuar enquanto conseguir segurar as baquetas"

Com uma pegada nostálgica, ele acaba de lançar o seu 19.º álbum, 'Give More Love, que conta com a parceria de Paul McCartney

AFP, O Estado de S.Paulo

14 Setembro 2017 | 21h59

"Continuarei enquanto conseguir segurar as baquetas", declarou à AFP Ringo Starr, músico que ainda tem pouco a provar, mas que acaba de lançar o seu 19.º álbum, com uma pegada nostálgica.

Aos 77 anos, aquele que foi o baterista dos Beatles contou com a parceria de Paul McCartney, o outro sobrevivente de uma das bandas mais famosas da História, em seu novo disco Give More Love.

Sem a presença dos falecidos John Lennon e George Harrison, as colaborações entre Ringo e Paul sempre geram muito expectativa, e desta fez não foi diferente.

Quando o baterista publicou uma foto dos dois no estúdio, em fevereiro, a notícia se espalhou rapidamente.

"Quando estamos juntos é ótimo, porque passamos momentos muito intensos, tempos em que éramos muito íntimos", explicou à AFP em um hotel de Londres. "Para mim, ele é um ser humano incrível, além de ser um incrível baixista", acrescentou.

O disco contém uma lembrança dos Fab Four no tema Don't Pass Me By, quando Ringo Starr canta "I'd like to be under the sea", enquanto a canção acaba lentamente.

"É uma homenagem a uma de minhas canções, chamada Octopu's Garden'", explicou sobre a música de 1969 que integrou o álbum Abbey Road.

"Achei que era interessante usar essas músicas de antes com uma banda jovem", continuou.

No passado, Ringo tentou diminuir a importância dos Beatles, grupo que só existiu por oito anos, mas cujo legado atravessou as carreiras posteriores de seus integrantes.

Nascido em 1940, Starr tinha somente 29 anos quando o grupo se dissolveu e, desde então, trabalha sozinho.

Atualmente parece reconciliado com todas as pessoas que sempre quiseram saber mais sobre o quarteto de Liverpool.

Fobia a germes e bateria até a morte. Usando jeans pretos, jaqueta acolchoada e óculos escuros, Ringo Starr parece jovem ao chegar à entrevista batendo os cotovelos como forma de cumprimentar - ele tem fobia de apertos de mão pelos germes -, e fazendo o sinal de paz e amor com os dedos.

As lembranças em Give More Love vão mais além de seus anos nos Beatles.

Electricity fala da Liverpool de sua juventude e de Johnny Guitar, seu parceiro de banda em Rory and the Hurricanes.

"Tocava tão bem... tenho grandes lembranças de como tocava, e desse tempo", relembra Starr, cujo nome de batismo é Richard Starkey, que passa a maior parte do tempo em Beverly Hills, na Califórnia.

Ringo, que completou 77 anos em julho, poderia pensar na aposentaria, mas, em vez disso, fará oito shows em outubro em um cassino de Las Vegas, antes de começar uma pequena turnê pelos Estados Unidos.

"Não penso em me aposentar, para mim não tem sentido", explica. "Continuarei enquanto conseguir segurar as baquetas", diz orgulhoso.

Mais conteúdo sobre:
Música Ringo Starr

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.