1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

"Queremos fazer a nossa parte para que o mercado fique menos medroso", diz vocalista do Scalene

- Atualizado: 31 Janeiro 2016 | 03h 00

Banda que despontou no programa ‘Superstar’ trabalha para garantir sobrevida após o sucesso do reality show

É até um alívio. Há tempos ninguém diz por aí que “the rock and roll is dead” ou “rock está morto”, frase icônica e repetida por aí à exaustão por décadas. Se o gênero não está nos melhores estados de saúde, também não deita no leito de morte. O fato, contudo, é que a boa e velha guitarra já há tempos não ocupa mídias populares, como TV e rádio, e sobrevive na cena independente – com sucesso nessa seara. A aprovação do som pesado da brasiliense Scalene durante a passagem deles pela disputa musical da TV Globo Superstar, em 2015, na qual a banda chegou ao segundo lugar em uma competição de voto popular, diz muito. “Mostramos que existe uma demanda para esse tipo de som.” 

O ano de 2016 é fundamental para esse passo do Scalene em direção à esfera popular da indústria fonográfica. São sete anos de carreira, circulando por festivais indies e criando um público. Antes mesmo do reality global, há dois meses da estreia na TV, os rapazes de 23 a 25 anos, amigos de infância, já se apresentaram na versão paulistana do Lollapalooza. O South By Southwest, prestigiado festival que ocupada toca a cidade de Austin, no Texas, também está no currículo. 

Scalene
Scalene

O início do plano está marcado para o fim de janeiro. Na sexta, 29, o grupo se apresentou em São Bernardo do Campo. No domingo, 31, volta a SP, se apresentando no Carioca Club, junto com o Fresno. São os primeiros shows de um ano que promete “surpresas”, segundo Gustavo Bertoni, voz e guitarra do grupo. “Teremos novidades, vamos ampliar e expandir aquilo que já foi lançado”, ele explica. Um disco, o terceiro da trupe de brasilienses formada ainda por Tomas Bertoni (guitarra), Lucas Furtado (baixo) e Philipe Makako (bateria e vocal), ficará para 2017. 

O plano deste ano é colocar as 33 músicas presentes nos álbuns Real/Surreal (2013) e Éter (2015, lançado durante a participação no Superstar) para rodar ainda mais o País. “No nosso primeiro disco, experimentamos bastante”, explica. “No segundo, foi o amadurecimento disso tudo.” 

Éter, aliás, conta o jovem, já não encontrou tanto espaço nas rádios quanto o antecessor, cuja balada Amanheceu, entrou em rotação até mesmo em estações sem tantas preferências roqueiras. Um disco que transborda o que há de mais novo no rock mainstream de músculo. Muse e Queens of the Stone Age estão ali na análise de superfície de influências perceptíveis e o vocalista cita, entre as bandas que tem ouvido mais recentemente, O’Brother e Thrice, ambas norte-americanas. 

O Fresno representa o último respiro radiofônico do rock brasileiro, surgido na última década, mas indevidamente rotulado de hardcore melódico. O show de ambos acaba por ser um encontro intergeracional. “Naquela época, para ser algo maior, mais popular, era preciso entrar na máquina da indústria”, diz o vocalista. O Fresno de hoje é infinitamente melhor do que o daquela época. Tem guitarras pesadas. Queremos fazer a nossa parte para que o mercado fique menos medroso.” 

SCALENE E FRESNO EM SÃO PAULO. 

Carioca Club. R. Cardeal Arcoverde, 2899, Pinheiros. Hoje (domoingo), a partir das 16. R$50 a R$ 300. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX