1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Pierre Boulez, um músico radical mais respeitado que amado

- Atualizado: 06 Janeiro 2016 | 20h 32

Maestro era venerado por discípulos, mas criticado por colegas

Aquilo que Boulez disse de Schoenberg pode ser perfeitamente aplicado ao maestro e compositor que o mundo perdeu ontem: Boulez despertava mais respeito que afeto. E, eventualmente, ódio. O compositor Michel Legrand, ao saber de sua morte, definiu-o como um fascista, por discriminar autores que não seguiam seu caminho. Boulez era, de fato, sectário. E polêmico. Falou mal até de seu mestre Messiaen, classificando sua sinfonia Turangalîla de “música de bordel”. Por outro lado, teve de ouvir adjetivos pesados. Pierre Schaeffer chamou-o de “Stalin da música”.

Autoritário ou não, isso já não importa. O que fica é o conjunto da obra do compositor, seus registros antológicos (Lulu, de Alban Berg, a tetralogia de Wagner, o ciclo das canções de Mahler) e as pesquisas desenvolvidas no Ircam, o instituto fundado por ele há 40 anos para desenvolver a música contemporânea.

Foi exatamente em 1976, depois de criar o conjunto Intercontemporain com a ajuda do governo francês, que o choque produzido por sua concepção musical ganhou notoriedade. Nesse ano, a montagem da tetralogia O Anel do Nibelungo em Bayreuth por Patrice Chéreau provocou escândalo, mas virou uma gravação de referência, assim como a leitura revolucionária que Boulez fez de Lulu na Ópera de Paris, em 1979, também dirigida por Chéreau.

Pierre Boulez
Pierre Boulez

Há quem prefira o Boulez maestro ao Boulez compositor, mas o fato é que um não existe sem o outro. Foi estudando a música dos outros que ele desenvolveu um método científico de apreciação, permitindo, por exemplo, detectar as limitações da técnica dodecafônica de Schoenberg – não ousada o suficiente para seus padrões, mas o bastante para marcar presença (com ecos de Pierrot Lunaire) na incontestável primeira obra-prima de Boulez, Le Marteau sans Maître, que estreou em 1955 em Baden-Baden, cidade onde morreu o maestro.

Le Marteau sans Maître é importante por cruzar a vanguarda europeia atonal com tradições musicais da África e Ásia. O reconhecimento da alteridade era um traço marcante de Boulez, frequentemente definido como um homem racional, avesso ao sentimentalismo e assexuado – não era, segundo especulações sobre possíveis relações homoafetivas e sua amizade com Chéreau e Jean Genet, dois artistas assumidamente gays. Boulez até planejou escrever uma ópera com Genet, projeto interrompido com a morte do dramaturgo.

Boulez tinha vasta experiência no teatro, iniciada em 1946 na companhia de Jean-Louis Barrault. É desse ano sua primeira sonata para piano, obra radical que transforma o instrumento ao usar o serialismo de forma bastante pessoal, rejeitando a condição de servo de Schoenberg. Boulez desafia o instrumentista a transformar a peça numa obra aberta – característica que iria marcar sua produção entre tantos músicos experimentais contemporâneos (Cage, Stockhausen).

Se há algo que resuma Boulez como compositor é sua clareza estrutural. Sua música é rigidamente construída e intelectual (há referência a Cummings, Mallarmé e outros poetas), mas é impossível ao ouvinte ficar indiferente à riqueza de texturas de uma peça como Répons, feita do diálogo entre instrumentos acústicos e eletrônicos, ou ao apelo ritualístico de Notations. É esse Boulez que fica para a eternidade.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX