Mike Mitchell/Christie's/Reuters
Mike Mitchell/Christie's/Reuters

Paul McCartney, 75 anos, tem vida repassada em longa biografia

Livro de Philip Norman volta à história do beatle, que faz aniversário hoje, com um mergulho de quase 800 páginas e revelando fragilidades de uma personalidade insegura

Julio Maria, O Estado de S.Paulo

18 Junho 2017 | 07h00

Os anjos de branco nunca ficavam doentes, muito menos aquela mulher cheia de poderes que Paul McCartney chamava de mãe. Mary McCartney sabia que algo não ia bem assim que as dores nos seios deixaram de ser normais. Enfermeira durona do Hospital Geral de Liverpool, ela se rendeu a uma consulta. Quando ouviu o médico dizer que deveria ser internada às pressas, sentiu a sentença de morte. Mary olhou para os filhos Paul, 14 anos, e Michael, 12, e lamentou a uma amiga: “Ah, eu não queria deixar os meninos ainda.” Antes de partir para o hospital, de onde não voltaria, limpou a casa da melhor maneira e lavou e passou todas as roupas da família. Só restaria da mãe, em poucos dias, o cheiro de saudade.

Mais do que devastar Paul, a partida repentina de Mary, em 31 de outubro de 1956, aos 47 anos, ajudou a construir sobre sua personalidade afável uma película impermeável que delimitaria seu território proibido. Ao mesmo tempo em que experimentava emoções em níveis de profundidade ainda não atingidos por um garoto, e que em pouco tempo ganhariam vida exterior em forma de canções, Paul aprenderia a operar sua genialidade com cautela e a defender seus interesses com estratégia, charme e ambição. Apenas uma flecha atravessaria sua couraça e o tornaria exposto, trazendo-o de volta à condição humana: mesmo quando estivesse no topo do mundo, Paul McCartney iria sentir as angústias da insegurança.

Seria mais uma das muitas biografias de um ex-beatle se Paul McCartney – A Biografia, de Philip Norman (Ed. Companhia das Letras), não fizesse o serviço da atualização histórica e da compreensão tridimensional que o passar do tempo permite. Há muitas histórias conhecidas, outras muitas melhoradas, um outro tanto inéditas, mas o melhor é tê-las na perspectiva equilibrada de um biógrafo que caminha mais próximo do verossímil do que dos exageros. Até porque o verossímil de um beatle será sempre um exagero por natureza. “O Paul McCartney real é muito diferente do Paul McCartney da imagem”, comenta Norman ao Estado. “Conhecemos o homem maravilhoso, talentoso, genial. O real é inseguro e sempre insatisfeito”. Mais do que apaixonado por aquilo que faz, seria Paul um artista insaciável. “Apesar de ter um grande homem como pai e um irmão próximo, ele vai sempre querer mais. Paul segue no palco muitas noites por ano porque ainda quer mostrar do que é capaz para seu público.”

A fraqueza seria complementar e bem vinda na formação de uma banda de jovens inseguros de Liverpool se Paul não fosse colidir com outro especialista em incômodos emocionais. Se Paul era inseguro, John Lennon atingia momentos patológicos de incertezas. Chegava a ficar até altas horas da madrugada sentado na imensa cozinha branca do apartamento de Dakota com seus três gatos de estimação, intrigado com a quantidade de versões que as obras de Paul ganhavam. “As músicas de Paul são sempre regravadas”, ele dizia para Yoko Ono, ruminando sentimentos. “Nunca regravam as minhas”. Yoko tentava amenizar: “Você é um bom compositor. Só não compõe o tipo de coisa mais fácil.”

Mas até que a história colocasse Lennon e McCartney em flancos opostos dentro de um mesmo grupo, muitas das 800 páginas da biografia de Norman seriam escritas. “Não há crueldade em Paul, ele é um ótimo ser humano e não se tornou um monstro como outras pessoas do showbiz”, contemporiza o autor quando questionado se seu personagem se revelaria maldoso em algum episódio. O caso não é de maldade, mas de autoafirmação – uma luta que começa bem antes de existir o próprio rock and roll.

Era 18 de junho de 1942, exatos 75 anos hoje, quando chegou ao mundo o primeiro filho dos McCartney. Era uma criança em estado de “asfixia branca”, com deficiência de oxigênio no cérebro e que parecia não respirar. Antes que o obstetra o decretasse morto, a parteira, católica e amiga de Mary, ajoelhou-se na fé. “E depois de alguns momentos, ele voltou à vida”, escreve o biógrafo, em um raro deslize de sua narrativa geralmente cética – a não ser que ele tenha checado a informação com o próprio Deus. A declaração de seu pai, que chegou minutos depois ao hospital, foi mais terrena: “Quando o ergueram, ele parecia um pedaço horroroso de carne vermelha”.

Aos 13 anos, Paul ganhou um trompete de aniversário. O pai não tinha nenhuma intenção naquele gesto, a não ser a de ver o filho inserido nas turmas descoladas de Liverpool. “Se você tocar alguma coisa, filho, sempre vai ser convidado para as festas”. Aos 14, antes de perder a mãe, ele estava na plateia do Empire Theatre de Liverpool para ver o rei do skiffle, Lonnie Donegan. Ao sair, pegou o trompete, levou na loja e trocou por uma guitarra.

Uma leitura dos prováveis motivos da colisão Lennon-McCartney pode ser feita no decorrer da narrativa de Norman. Os dois rapazes eram formados pelo mesmo material genético: dor, solidão e carência afetiva. Assim como Paul, Lennon perdeu a mãe muito cedo e de forma trágica, atropelada por um carro. Quando as personalidades habitam extremos opostos, as fraquezas se complementam e se tornam força. No caso dos Beatles, eram uma bomba relógio.

Apuração vai de acidente de bicicleta à prisão no Japão

Um dos terrenos mais pisoteados no universo das biografias, a história dos Beatles se tornou um desafio aos biógrafos. O livro de Philip Norman não cai em sensacionalismos e consegue até limpar a história de alguns exageros. Dentre pequenas e grandes curiosidades, aqui estão alguns destaques:

Reprovado 

Aos 13 anos, Paul foi fazer um teste para fazer parte do coral da Catedral de Liverpool. Em meio a 90 meninos, ele cantou a canção Once in Royal David’s City. Uma nota aguda errada causou sua reprovação.

Acidente e bigode 

Na primeira vez em que Paul deixou crescer o bigode, em 1966, foi para esconder um defeito físico. Durante uma viagem de Cheshire, onde visitava o pai, a Liverpool de bicicleta motorizada, ao lado do milionário Tara Browne, Paul perdeu o controle e foi ao chão, caindo de rosto. O impacto da queda fez um de seus dentes da frente atravessar o lábio superior. Quando chegou ao destino, machucado, um médico suturou o corto sem anestesia.

Processo contra Steve Jobs

Um menino prodígio da Califórnia, fã doentio dos Beatles, Steve Jobs resolveu batizar sua empresa de computadores de Apple em homenagem aos ídolos. Mesmo sem os Beatles em ação, a Apple dos ingleses ainda existia e tinha como administrador Neil Aspinall. A empresa dos Beatles entrou com processo contra Steve Jobs e um acordo foi firmado: a Apple de Jobs não deveria jamais usar música em seus computadores. O tempo mostrou que o acordo seria impossível, e a história ficou mesmo com duas Apple.

Prisão em Tóquio 

Em 16 de janeiro de 1980, Paul é preso ao chegar em Tóquio, de Londres. Um inspetor mexeu em sua mala e tirou um saco plástico cheio de maconha. “Quando o sujeito tirou aquilo da mala, ele estava mais constrangido do que eu”, disse Paul, mais tarde. Foram cinco horas de interrogatório na polícia metropolitana de Tóquio. Eram ao todo 218 gramas de maconha, o suficiente para a acusação de tráfico. Diferente da Europa e Estados Unidos, não havia liberação mediante fiança. Ele ficava detido durante a investigação. Paul passou a noite toda sentado no chão com as costas na parede, apavorado pela ideia de ser estuprado. Na manhã seguinte à prisão, a música dos Wings havia desaparecido das emissoras de rádio.

PAUL MCCARTNEY A BIOGRAFIA

Autor: Philip Norman 

Tradução: Claudio Carina, Rogério W.  Galindo  

Editora:  Companhia das Letras (856 págs.,  R$ 89,90)

Mais conteúdo sobre:
Beatles Paul Mccartney

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.