JF Diorio/ Estadão
JF Diorio/ Estadão

Jovem rapper Nill cria empatia com seu primeiro disco, 'Regina'

Álbum com participações de Rodrigo Ogi e DeLeve foi muito bem recebido por pares e fãs do hip hop nacional

Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

10 Novembro 2017 | 18h01

Ouça a entrevista com o rapper Nill:

“É que eu levo as coisas um pouco a sério demais, e odeio quando elas ficam todas iguais”, canta o jovem rapper Nill, 24 anos, que começou em Jundiaí e em julho deste ano lançou o disco Regina, pelo selo do coletivo SoundFood Gang, do qual ele é um dos fundadores. Com uma produção lo-fi ligada ao movimento vaporwave (cultura surgida no início dos anos 2010, relacionada a comunidades online com forte ligação à cultura pop e aos anos 1990), Regina conquistou os círculos do rap nacional, se encaminha para ser lembrado no topo das listas de melhores do ano – e neste sábado, 11, ele apresenta o trabalho no Breve (Rua Clélia, 470), em São Paulo. O produtor Sono TWS abre os trabalhos às 21h, Nill toca às 22h e os ingressos, na porta, custam R$30.

Nill – Davi Rezaque de Andrade – cresceu numa família pouco musical, e na falta de irmão mais velho foi descobrindo as coisas com os amigos da rua e da escola. Foi no colégio também que a vontade de fazer rap nasceu, quando uma professora (sempre elas) estimulou o jovem a continuar após ler alguns de seus textos, segundo o próprio, “umas paradas aleatórias”. Veio então a formação de conjuntos com amigos e colegas de Jundiaí e um grupo, o Sem Modos. Mas foi com a criação da SoundFood Gang, em 2015, que as coisas começaram a virar.

“A gente se inspirou em vários coletivos. O Wu-Tang Clan, o Odd Future. Quando as pessoas se juntam, têm mais caminhos para alcançar uma coisa só”, reflete o artista, numa conversa na última quarta-feira. “Assim você consegue pegar um camarada que tem contatos de filmagem, outro tem na mídia, outro sabe de computador. O bagulho é mais rápido. Nunca quis crescer sozinho, chegar no auge com uma galera estranha. Queria ter os amigos em volta. Se a galera se juntar, é mais fácil correr junto.”

De qualquer maneira, Regina é uma criação mais ou menos solitária de Nill – ele escreveu as letras e produziu quase todos os beats, usando o programa Fruity Loops, no PC de casa (no disco há beats também de Estranho, Albano, e Réptil). Vários chamam atenção, mas um deles destoa positivamente: Minha Mulher Acha Que Eu Sou o Brad Pitt tem um sample de Ashes to Ashes, de David Bowie, e Nill acredita que faixa resume bem seu objetivo como artista, conseguir se destacar entre a quantidade de bons MCs que estão por aí. “Eu atiro em outros bagulhos justamente porque aí você não consegue me classificar”, diz.

+ Podcast Refrão Estadão #19 — Entrevista com Nill

Outra característica do álbum – e sobre a qual o rapper fala com os olhos brilhando – são as referências aos anime, os desenhos animados japoneses. Seus preferidos são Dragonball (que ele sampleia na faixa Loopers, que tem a participação dos rappers DeLeve e Rodrigo Ogi, duas das suas maiores referências), mas principalmente Naruto. 

“Essas paradas cresceram comigo. Meus amigos mais velhos não entendem muito bem, mas é um bagulho bem louco. Nem todo mundo tem uma realidade favorável, digna. Então a gente tenta se apegar em coisas que podem trazer um alívio”, explica – em linhas gerais, o personagem Naruto carrega em si mesmo uma espécie de demônio, que faz com que as pessoas da sua aldeia não queiram se relacionar com ele e criem dificuldades.

+ 'Esú' abre as portas de Baco Exu do Blues no cenário nacional

Regina é nomeado em homenagem à sua mãe, que morreu há alguns anos, e muito do apelo que tem é relacionado a um sentimento de empatia que as músicas e as letras despertam. “Foi intencional… no meu estilo de escrita, quero que as pessoas se sintam em casa. A gente saiu nessa missão de colocar as pessoas mais próximas.” Nill não precisava de uma motivação generosa para lançar um disco tão criativo – ter uma, hoje em dia, porém, pode ser um alívio no meio do caos.

Monkeybuzz no Breve: niLL + Sono TWS

Breve (Rua Clélia, 470 Pompeia). Sábado, 11/11. Show às 21h (casa abre às 19h). R$30.

Mais conteúdo sobre:
Jundiaí [SP] David Bowie Rap

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.