Assine o Estadão
assine

Televisão

escobar

'Narcos deturpou e glamourizou a vida do meu pai', diz filho de Pablo Escobar

Sebastián Marroquín acusa série dirigida por Padilha de esconder fatos e ainda faz revelações: 'Frank Sinatra era sócio do meu pai'

0

Julio Maria,
O Estado de S.Paulo

05 Novembro 2015 | 06h00

Sebastián Marroquín tem um olhar tenso e quase nunca sorri. Filho do maior traficante de drogas da história, viveu até a morte do pai, em 1993, entre tiros e bombas, primeiro mergulhado nos milhões de dólares que o tráfico rendia a Escobar, depois escondido para não ser alvejado pelo exército de inimigos espalhados pela Colômbia.

Autor da biografia 'Pablo Escobar – Meu Pai', lançada no Brasil em junho com boas críticas, Marroquín, alcunha que usa para evitar o inferno que se tornou carregar no RG o mesmo nome do pai, acaba de ver a série 'Narcos', do canal Netflix, com muitas ressalvas. Em entrevista ao Estado, ele faz pesadas acusações aos produtores, ao diretor José Padilha e critica o ator que interpreta seu pai, Wagner Moura. “Aquilo é um insulto à história da Colômbia e às milhares de famílias de vítimas do narcotráfico. Eles deveriam, primeiro, incluir capítulos para mostrar como a DEA (agência antidrogas dos EUA) cobrava de meu pai impostos para permitir que a cocaína entrasse nos EUA através do Aeroporto Internacional de Miami.” Afirma que há interesses políticos por trás do projeto e que ofereceu ajuda na curadoria, que foi negada pela produção.

A Netflix informou que não se pronunciaria sobre as declarações. Neste momento, 'Narcos 2' está em fase de gravação, sem data de estreia. Já o diretor José Padilha respondeu às alegações de Marroquin por e-mail: “Tivemos muitas propostas de ‘consultoria remunerada’ por familiares e ‘amigos’ de Escobar. Todas apresentadas a nós como bem intencionadas, mas sempre buscando remuneração. Algo do tipo: sei o que aconteceu com Pablo. Quanto você me paga para eu te contar?” Como houve contra-acusação, a reportagem voltou a Marroquín, que rebateu: “E Padilha crê que estamos no tempo da escravidão? Quer que a gente trabalhe de graça para ele?” 

Sobre o conteúdo da série, o diretor Padilha afirma: “Consultamos a DEA (agência antidrogas dos EUA), que tinha todas as transcrições das gravações interceptadas de Pablo. Não achamos que os filhos de Pablo tivessem plena consciência do que se passava com seu pai. Além disso, as informações de diferentes familiares não batiam umas com as outras”. Marroquín voltou a rebater: “O único que não tem consciência da história é o próprio Padilha. Por acaso ele é familiar de Pablo para conhecê-lo melhor que seus filhos?”

José Padilha seguiu em sua defesa: “A série mostra Pablo como o facínora que era, autor de atos de terrorismo contra inocentes. Na segunda temporada, veremos o que acontece com gente que pratica crimes como ele. Será que mesmo assim vai ter gente que acha que o crime compensa? Trata-se de uma crítica risível. Me pergunto se ela existiria caso estivéssemos pagando por ‘informações’ secretas!”. Marroquín reclamou mais: “Onde está a autorização para que um ator me representasse? Onde está?”. Enfim, a entrevista com o filho de Escobar, que revela sobre Frank Sinatra algo que vai além da frase jogada em seu livro sobre seu envolvimento com os mafiosos: "Frank Sinatra era melhor distribuidor de drogas do que cantor. Era sócio de meu pai" 

'Narcos' deturpa a história ou faz emendas que os diretores chamam de liberdade poética para suas narrativas?

Não há nada de poético, mas de político. Quando eu soube que a Netflix faria uma série sobre meu pai, me ofereci para lhes dar acesso a toda a história, mas eles não quiseram.

E que dano você acha que ela pode provocar?

Um projeto como esse instala nos jovens o desejo de serem traficantes. A ação de meu pai é toda glamourizada, parece sempre que é muito bom ser traficante, que eles são cheios de poder, dinheiro, armas, mulheres, propriedades. Meu pai nunca sofre, sempre está bem. Nunca o vemos chorar. 

Como foi ver Wagner Moura interpretando o seu pai?

Eu não o reconheço como meu pai. O sotaque e a caracterização não o ajudaram. Mas como poderiam interpretar fielmente Pablo Escobar se ignoraram a colaboração de seu filho?

Você pensa em processar a Netflix?

Fico pensando se é melhor lutar ou viver. Muito provavelmente, viver. Mas, se sobrar tempo e dinheiro, vou discutir legalmente as mentiras que eles estão publicando. Colocaram um ator que atende por meu nome sem pedirem autorização. Meu pai morreu, mas eu e minha família estamos vivos. Se acham que podem “chutar cachorro morto”, então vão ter que matar mais três: eu, minha mãe e minha irmã.

Frank Sinatra é citado em uma frase de seu livro, como se fosse o contato de seu pai em Miami.

Ele era um dos sócios do meu pai em Miami.

Sócio de Escobar? Frank Sinatra?

Eu posso lhe dizer que ele era melhor distribuidor de cocaína do que cantor.

Como pode dizer isso?

Os cartéis da droga existem apenas da linha da fronteira do México com os Estados Unidos para baixo. Onde está o cartel de Miami? O cartel de Nova York? Quem é o chefe do cartel de Chicago, de Los Angeles? Cada quilo de cocaína que entra nos Estados Unidos é convertido em oito, maximizados com veneno. Há uma grande hipocrisia frente à maneira de falar das drogas. Mas não colocaram na série os cartéis que não são administrados nem por mexicanos nem por colombianos.

E Frank Sinatra?

Há mais cantores do que você imagina que começaram suas carreiras graças ao patrocínio dos narcotraficantes.

Sabemos do envolvimento de Sinatra com a máfia italiana, mas o que pode dar certeza dessa ligação com os colombianos?

Não há recibos nem tickets, apenas a palavra. Sei porque eu estava muito perto do meu pai, e ele e seus sócios sempre falavam sobre isso.

Você fala da legalização das drogas em suas andanças pelo mundo. Acredita ser a saída?

Alguma vez você ouviu dizerem que estava faltando cocaína nas ruas? E quantos traficantes sabemos que foram mortos? Pois no dia seguinte à morte de um traficante, falta droga? Então, matem todos em um dia e verão que também não vai faltar. Há hoje 244 milhões de consumidores no mundo dispostos a comprar alguma droga. A mesma violência dos anos de meu pai, que morreu há 22 anos, ainda não terminou. Quando ele me ensinou sobre as drogas, havia dez tipos. Hoje, já são mais de 460 substâncias.

A legalização não seria um risco, tornando a cocaína mais acessível onde ela ainda não é?

Ela é acessível em qualquer lugar. E os jovens creem que o que consomem é cocaína, o que já seria terrível, mas na verdade estão usando outra substância que traz apenas 20% ou 30% de coca com veneno. Se você pedir hoje uma pizza e uma droga por telefone, a droga chega primeiro. Isso significa que ela está tão legalizada quanto a pizza. A guerra está perdida.

E em que ponto teríamos uma sociedade melhor com drogas legalizadas?

Assim como o Estado defende sua soberania, as pessoas têm uma soberania interior com relação ao que querem fazer com seus corpos. 

O problema é quando as pessoas não sabem o que vai ocorrer com seus corpos. E aí chegamos à catástrofe...

Já estamos vivendo a catástrofe, e ela só vai ser menor na medida em que se eduque melhor. Prefiro ver um jovem comprando cocaína Bayer ISO 9000 na farmácia ao ver este jovem comprando na esquina um produto branco com vidro moído que vai corroer seus pulmões.

Não está apostando demais na educação pública?

Meu pai me educou sobre drogas quando eu tinha oito anos, e nenhuma criança foi mais rodeada por drogas do que eu.

Como ficou sua vida depois do lançamento do livro?

Há uma recomendação de que eu não volte mais à Colômbia. O livro despertou muitas antipatias por causa das revelações com relação à corrupção que existe em todos os governos. Mas, para mim, o mais triste foi que ninguém contestou absolutamente nada. São atos de corrupção cometidos por funcionários de primeiríssimo escalão e ninguém se pronunciou sobre isso. Eles estão me dando a razão.

Quem são mais perigosos, os políticos ou os narcotraficantes?

É muito difícil estabelecer uma diferença, mas não tenho dúvidas de que a política é muito pior. Esse foi o maior erro de meu pai, ter ingressado em uma máfia que era muito maior do que todas as que ele havia liderado.

Por que considera esse o pior erro de Escobar?

Ele poderia ter ajudado o povo da Colômbia sem envolver-se com os políticos. Ele queria ajudar as pessoas, e pensou que a política poderia lhe dar as ferramentas para isso. Não entrou na política para roubar porque já era um homem rico a essa altura.

Ele não queria lavar o dinheiro do tráfico com obras sociais?

Não, nunca interessou a ele lavar dinheiro. Ele gostava era do dinheiro sujo. Podem acusar meu pai de tudo o que quiserem, mas lavar dinheiro, não.

Se ele tinha mesmo essas intenções, como poderiam conviver em uma mesma pessoa atitudes tão benevolentes e outras tão terríveis, como os assassinatos e as bombas que mandou explodir?

As terríveis vieram depois. Ele primeiro fez boas obras (com o dinheiro do tráfico), depois foi atacado e então começou a contra-atacar com violência.

Qual foi o momento em que seu pai perdeu completamente a razão?

Como alguém pode perder a razão em um mundo de loucos? Eu não justifico sua violência de nenhuma forma, nunca a justifiquei, nem quando ele estava vivo.

Então, quando é que você não gosta do seu pai?

Eu sempre amei meu pai, mas esse amor nunca me cegou diante da violência que ele praticava. Não gosto quando ele começa a ter um protagonismo forte no narcoterrorismo, explodindo bombas indiscriminadamente por toda a Colômbia. Aquilo não me pareceu uma forma de luta justa.

Quantas pessoas ele matou?

Não há um número oficial, mas o que mais se aproxima é três mil.

E mais as milhões que morreram consumindo cocaína pelo mundo.

E aquelas que o Estado colombiano matou e torturou para achar meu pai? Mais de três mil pessoas morreram para que meu pai fosse encontrado. Mais de três mil mortos para se encontrar apenas um homem, e ninguém fala dessas vítimas.

O que houve com o dinheiro de Escobar depois de sua morte? Não deveria seu usado para reparar as vítimas do tráfico?

Nunca repararam nenhuma vítima. Os políticos da Colômbia levaram esse dinheiro para eles. Não há uma pessoa que tenha sido reparada.

E você? Nada sobrou do dinheiro de seu pai na sua conta?

Se tivesse sobrado, esse livro não existiria e eu estaria vivendo em uma ilha. E não estaria trabalhando no México como conferencista nem seria arquiteto e, muito provavelmente, estaria morto. A mim, fizeram o favor de roubar todo o dinheiro de meu pai. Agradeço por tirarem esse peso dos meus ombros.

Esse dinheiro teria mudado o seu caminho?

O dinheiro muda as pessoas.

Mais conteúdo sobre:

Comentários