Músico do Crowded House comete suicídio

Paul Hester, o baterista do Crowded House, banda australiana de sucesso nos anos 1980 autora do sucesso Don´t Dream It´s Over, suicidou-se por enforcamento em um parque de Melbourne. Paul Hester foi visto pela última vez na noite de sexta-feira, quando deixou sua casa na companhia de seus cães. Os paramédicos tentaram reanimar Hester, de 46 anos, ao encontrá-lo ao meio-dia de sábado, mas "ele já estava morto quando chegaram", disse a porta-voz do Serviço Metropolitano de Ambulâncias, Liraje Memishi. Liraje disse que ele "tentou suicidar-se" e morreu por estrangulamento. Ela não quis dizer em que local o corpo foi encontrado. O vocalista do Crowded House, Neil Finn, que está em turnê em Londres, disse que estava "arrasado" com a notícia. "Perdi um dos meus melhores amigos", disse ele ao jornal australiano Daily Telegraph. Outro grande amigo de Hester, Peter Green, disse ignorar que o baterista estivesse sofrendo de depressão. "Paul nunca falou sobre isso, e eu jamais ouvi dizer que ele estivesse sofrendo de alguma doença", afirmou. "Mas agora me pergunto se alguém realmente sabia de alguma coisa." Hester tocou com o grupo neozelandês Split Enz antes de formar o Crowded House, com Finn e Nick Seymour, em 1985. Em 1994, ao deixar a banda, tornou-se apresentador de TV. Ele morava em Melbourne com sua mulher e duas filhas, de 10 e 8 anos.

Agencia Estado,

28 Março 2005 | 11h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.