1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Musical leva som da Motown aos palcos de Londres

- Atualizado: 09 Março 2016 | 16h 30

Espetáculo analisa a vida de Berry Gordy, o criador da gravadora norte-americana

Berry Gordy, o criador da gravadora Motown
Berry Gordy, o criador da gravadora Motown

De My Girl a What's Going On, os grandes sucessos da Motown ganharam vida nos palcos de Londres graças a um musical em cartaz no West End, o bairro que concentra os teatros da cidade, que analisa a vida de Berry Gordy, o criador da gravadora norte-americana.

Motown the Musical, que estreou na Broadway em 2013 e na capital britânica na noite de terça-feira, mostra mais de 40 canções do famoso catálogo da Motown.

O espetáculo conta a história da ascensão de Gordy, que era fã de boxe e trabalhava em uma oficina de automóveis de Detroit, até se tornar um compositor celebrado que transformou Smokey Robinson, Stevie Wonder, Marvin Gaye, Diana Ross e o Jackson 5 em estrelas da música –e que começou tudo com um empréstimo de 800 dólares de sua família.

"Temos um caso de amor com a Grã-Bretanha. Quer dizer, ele vem desde 1964... eles (os fãs britânicos) entendem nossa música, nos entendem", disse Gordy à Reuters quando indagado sobre o apelo da Motown do outro lado do Oceano Atlântico.

"A Grã-Bretanha é fabulosa, temos muitas lembranças ótimas de lá."

Gordy, de 86 anos, foi com Robinson à estreia londrina, e ambos foram aplaudidos de pé pelo público no final da apresentação.

Perguntado sobre o segredo do sucesso da Motown, Gordy respondeu: "Provavelmente o amor... e grande poesia e música deste cara aqui", apontando para Robinson.

Do rhythm and blues e da soul music ao pop mais adiante, o som da Motown foi moldado por uma série de canções populares tornadas famosas pelos astros afro-norte-americanos do selo, e também influenciaram a cultura dos Estados Unidos durante a era da luta por direitos civis.

Na Broadway, o musical foi um sucesso de bilheteria e recebeu quatro indicações ao Tony, o Oscar do teatro norte-americano. A versão londrina fica em cartaz até fevereiro de 2017.

 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX