Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Musical leva som da Motown aos palcos de Londres

Música

Reuters

Musical leva som da Motown aos palcos de Londres

Espetáculo analisa a vida de Berry Gordy, o criador da gravadora norte-americana

0

Sara Hemrajani,
REUTERS

09 Março 2016 | 16h28

De My Girl a What's Going On, os grandes sucessos da Motown ganharam vida nos palcos de Londres graças a um musical em cartaz no West End, o bairro que concentra os teatros da cidade, que analisa a vida de Berry Gordy, o criador da gravadora norte-americana.

Motown the Musical, que estreou na Broadway em 2013 e na capital britânica na noite de terça-feira, mostra mais de 40 canções do famoso catálogo da Motown.

O espetáculo conta a história da ascensão de Gordy, que era fã de boxe e trabalhava em uma oficina de automóveis de Detroit, até se tornar um compositor celebrado que transformou Smokey Robinson, Stevie Wonder, Marvin Gaye, Diana Ross e o Jackson 5 em estrelas da música –e que começou tudo com um empréstimo de 800 dólares de sua família.

"Temos um caso de amor com a Grã-Bretanha. Quer dizer, ele vem desde 1964... eles (os fãs britânicos) entendem nossa música, nos entendem", disse Gordy à Reuters quando indagado sobre o apelo da Motown do outro lado do Oceano Atlântico.

"A Grã-Bretanha é fabulosa, temos muitas lembranças ótimas de lá."

Gordy, de 86 anos, foi com Robinson à estreia londrina, e ambos foram aplaudidos de pé pelo público no final da apresentação.

Perguntado sobre o segredo do sucesso da Motown, Gordy respondeu: "Provavelmente o amor... e grande poesia e música deste cara aqui", apontando para Robinson.

Do rhythm and blues e da soul music ao pop mais adiante, o som da Motown foi moldado por uma série de canções populares tornadas famosas pelos astros afro-norte-americanos do selo, e também influenciaram a cultura dos Estados Unidos durante a era da luta por direitos civis.

Na Broadway, o musical foi um sucesso de bilheteria e recebeu quatro indicações ao Tony, o Oscar do teatro norte-americano. A versão londrina fica em cartaz até fevereiro de 2017.

 

 

Mais conteúdo sobre:

Comentários