Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Lollapalooza 2018: Festival sofre mutação e aposta em medalhões e entretenimento

Festival apresenta o bem sucedido Chef's Stage mas sofre com problemas em show de Liniker e os Caramelows

Guilherme Sobota, João Paulo Carvalho, Julio Maria e Pedro Antunes, O Estado de S.Paulo

25 Março 2018 | 06h00

Esqueça aquele festival lado B que desembarcou no Brasil há sete anos e valorizava a nova safra musical de artistas indies ao redor do mundo. Em 2018, o Lollapalooza veio com força para se tornar o maior evento de música do País e, para isso, usou e abusou de todos os recursos necessários para levar uma multidão para o Autódromo de Interlagos, na zona sul de São Paulo. 

A receita é simples e não exige lá um grande esforço. Pegue três medalhões peritos em lotar estádios e coloque cada um deles para fazer shows em dias diferentes no festival: Red Hot Chili Peppers na sexta-feira, 23; Pearl Jam no sábado, 24; e The Killers no domingo, 25. 

Além disso, aumente consideravelmente o número de atrações relacionadas ao entretenimento. Um estúdio de piercing e tatuagem aqui, um slackline (atividade em que a pessoa se equilibra em cima de uma fita elástica) ali e pronto. Eis a fórmula do sucesso. Neste ano, o Lollapalooza, que já vinha dando sinais de mudanças há algumas edições, sofreu de uma vez por todas a chamada “Rock in Riotização”. O lado B, portanto, deu cada vez mais espaço ao mainstream e o que era indie e cult, tornou-se pop. 

E isso não é ruim, claro. Vários outros festivais ao redor do mundo seguiram o mesmo exemplo da trupe do nova-iorquino Perry Farrell, criador do Lolla e líder da banda Jane’s Addiction. O South by Southwest (SXSW), que começou modestamente em 1987, em Austin, no Texas, hoje em dia faz lançamento de filmes e até conferências de tecnologia. 

O Pearl Jam, principal atração da noite de sábado, 24, foi a prova empírica de que o Lolla agora é para as massas. A banda escolheu a obscura Wash My Love, do disco Ten (1991), o primeiro, para atestar novamente: podemos tocar qualquer coisa do nosso imenso catálogo. Logo em seguida vieram os hits incontornáveis dos 27 anos de carreira do grupo.

Na metade do show, Eddie Vedder chamou a atenção para os protestos pró-regulamentação das armas dos EUA. “Estou muito orgulhoso, porque isso precisa parar”, disse, se referindo aos ataques nas escolas. Can’t Deny foi a música que ele dedicou aos jovens nas ruas de seu país. 

Perry Farrell subiu ao palco para cantar Mountain Song, do Jane’s Addiction. “É uma benção estar aqui com essa galera incrível hoje”, disse em outro momento. “São tantas bandas legais. Obrigado Perry Farrell por ter inventado o Lollapalooza”, disse Eddie Vedder.

Apesar das mudanças musicais significativas, atrações como Anderson.Paak e O Terno ainda estavam ali para cultivar o DNA do Lollapalooza. Paak tem a tradição de Marvin Gaye e James Brown em uma das mãos e o futuro que o rap tem apontado na música norte-americana na outra. Ao contrário dos compatriotas, evita experimentalismos do jazz e parece não querer soar novo o tempo todo. Ele também não se posiciona como um representante das tradições da Motown.

Já o trio paulistano O Terno voltou ao Lollapalooza em sua melhor fase, com metais e canções na medida certa entre o pop e o experimental. Suas armas são a afiada visão do amor contemporâneo, da felicidade efêmera e a fugacidade do momento nas canções de Tim Bernardes, vocalista e guitarrista da banda.

++ Lollapalooza 2018: Com problemas no som, show de Liniker e os Caramelows é interrompido

O destaque da tarde de sábado, entretanto, foi o medalhão David Byrne. Aos 65 anos, o ex-líder do Talking Heads trouxe ao Lollapalooza as criações de seu disco ainda quente, American Utopia, o braço musical do projeto multimídia Reasons To be Cheerful (Razões Para Ser Otimista). Além de canções de sua investida mais importante, o grupo inglês Talking Heads, que ele liderou entre 1975 e 1991. Psycho Killer, conforme prometeu, não foi tocada. O público teve de se satisfazer com Burning Down The House.

Com referências contínuas à zona sul de São Paulo – uma das mais desiguais do mundo – Mano Brown, atração do Palco Axe, desfilou os hits do seu primeiro disco solo, Boogie Naipe

A parte mais chata do sábado ficou por conta da apresentação de Liniker e os Caramelows. A três músicas do fim, o show foi interrompido por problemas técnicos. A cantora deixou o Palco Onix chorando. Após 10 minutos de intervalo forçado, Liniker e sua banda voltaram ao palco para dar um triste recado: “O som não vai voltar. Mas eu fico muito feliz pelo que vocês fizeram aqui hoje. Muito obrigada, do fundo do meu coração”.

Mais conteúdo sobre:
Lollapalooza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.